• Quarta-feira, 10 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Crise derruba os preços da carne suína


Terça-feira, 5 de abril de 2016 - 11h00

Nos últimos três meses, a carne suína deu um refresco para o bolso do consumidor. De janeiro a março os preços de cortes tradicionais, como o lombo, chegaram a recuar em até 12,8% na capital. Sinal do aperto no orçamento, o consumidor tem feito ajustes no seu cardápio e optado por levar para casa produtos mais baratos, forçando a queda de preços.


Levantamento do Mercado Mineiro aponta que nos últimos três meses o pernil sem osso, barateou em média 10,8%, sendo vendido no varejo a R$11,97, preço mais baixo que o filé de peito de frango (R$12,40), e menor também que a alcatra (R$23,8), por exemplo. A diferença cai ainda mais observando cortes suínos como a copa de lombo, encontrada em média a R$10,90 o quilo, preço parecido com o quilo da asinha de frango, que custa em média R$10,85.


No varejo, os cortes mais caros de carne têm sofrido alguma pressão de baixa, já que há um aumento da demanda pelos produtos mais baratos. Levantamento da Scot Consultoria mostra que a carne bovina, uma das preferidas do brasileiro, caiu 5,5% no atacado, de janeiro a março. Os cortes traseiros que são os mais caros recuaram 7,6% no período, enquanto os dianteiros, mais baratos, avançaram 1,6%, respondendo à maior procura do consumidor. “Os preços refletem um movimento do mercado em busca dos cortes mais baratos”, avalia Isabella Camargo, analista de mercado da Scot. Segundo a especialista, mesmo com a arroba do boi em alta, o preço está caindo no atacado, o que reflete uma dificuldade de escoamento dos frigoríficos.


Segundo o levantamento do Mercado Mineiro, em Belo Horizonte, a carne bovina recuou até 5,14% no período, como é o caso do quilo de filé mignon, que custava R$37,19 em janeiro e caiu agora para R$35,28. O quilo do contra-filé, recuou de R$26,71 para R$26,24, queda de 1,76%. Por outro lado houve aumento de 2,53% no quilo do acém, que custava em média R$15,39 subindo para R$15,78, respondendo a preferência do consumidor pelos produtos mais em conta.


Vendas aquecidas André da Mata, dono de seis açougues em Belo Horizonte e Betim, diz que na última semana, a venda recorde foi da carne suína que superou a bovina. Segundo ele, a demanda pelos suínos está sendo empurrada pelo encarecimento do boi. Ele comenta ainda que não houve queda no volume de vendas, mas o tíquete médio do consumidor foi reduzido em 15% esse ano, isso porque as famílias têm feito ajustes.


Segundo a Associação dos Suinocultores de Minas Gerais (Assemg), enquanto os preços no varejo caíram até 12,8%, na produção o recuo no quilo do animal vivo foi bem maior, atingindo 28,5%. Antônio Ferraz, presidente da Assemg, diz que as vendas do produto começaram a esquentar somente na última semana, quando realmente o consumidor sentiu a queda nos preços, que demorou a chegar à ponta da cadeia. “Até então, o produto continuava caro”, cometa Ferraz. A expectativa da Associação é que a queda de preços esquente a demanda. A meta da suinocultura brasileira é aumentar o consumo do produto que hoje é de 15,5 quilos por habitante para 18 quilos por habitante/ano.


Mudanças no frio


A expectativa dos suinocultores mineiros é que o aquecimento do consumo que começou a dar mostras na última semana possa reverter o quadro de preços a partir de maio. “Quando a temperatura cai a procura pela carne suína aumenta. Acreditamos que deve haver um crescimento dos preços a partir de maio, quando tradicionalmente o mercado interno fica aquecido aliado as exportações que também estão em alta, motivadas pela valorização do câmbio. Desde o início do ano, estamos trabalhando abaixo do custo, produzimos a R$4,0 para vender por R$3,50”, argumenta o executivo.


Já no caso da carne bovina a expectativa é de mais um trimestre de preços estáveis no varejo. “Como está havendo uma dificuldade na oferta de animais, mesmo com os preços em baixa no atacado, para o produtor houve alta de 6% no valor da arroba desde janeiro até agora”, diz Isabella Camargo. Nesse momento de mercado consumidor retraído e pouca oferta de carne bovina, as margens dos frigoríficos estão na ordem de 14,4%, abaixo da média histórica de 20%. “Por enquanto não há espaço para novas altas, mas como o ambiente do país está instável, é difícil fazer previsões de médio prazo.”


Em 2015, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o abate de bovinos caiu 9,6% motivado pela redução do consumo em 23 dos 27 estados brasileiros.


Fonte: Estado de Minas. Por Marinella Castro. 5 de abril de 2016.


Link da notícia: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2016/04/05/internas_economia,750097/preco-da-carne-de-porco-recua-12-8.shtml



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook