• Sexta-feira, 1 de julho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Margens apertadas para a soja e milho em 2015/2016 no Mato Grosso


Segunda-feira, 4 de janeiro de 2016 - 16h06

Zootecnista, formado pela Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Ilha Solteira-SP, mestre em Administração de Organizações Agroindustriais pela UNESP, Câmpus de Jaboticabal-SP. É analista e consultor de mercado da Scot Consultoria. Coordena as divisões de pecuária de leite, grãos e avaliação e perícia. Editor-chefe do Relatório do Mercado de Leite, publicação da Scot Consultoria. Atuação nas áreas de análises, estabelecimento de cenários, estratégias de mercado, realização de projeções de preços, oferta, demanda, análises setoriais e pesquisa de opinião e imagem. Ministra aulas, palestras, cursos e treinamentos nas áreas de mercado de leite, boi, grãos e assuntos relacionados à agropecuária em geral.


O cenário para 2015/2016 é incerto com relação aos preços da soja e do milho. Uma coisa, porém, está certa, o aumento dos custos de produção.


O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) estima um custo médio de R$3.591,26 por hectare de soja na região de Rondonópolis-MT, um aumento de 33,1%, em relação à 2014/2015.


Para o milho de segunda safra, o custo médio de produção aumentou 27,4% em relação à safra passada e está estimado, em média, em R$2.412,63.


Fertilizantes e defensivos agrícolas pesaram com a alta do dólar. Além disso, combustíveis, mão de obra e energia também ficaram mais caros.


Do lado dos preços, há pressão de baixa sobre as cotações no mercado internacional com a safra de soja recorde norte-americana (15/16), estimada em 108,35 milhões de toneladas.


No Brasil, o dólar em patamar elevado é o fator de sustentação, tanto que com os recuos da moeda norte-americana em novembro, as cotações da soja grão caíram no mercado interno.


Resultados econômicos


A rentabilidade média da soja em 2014/2015 foi de 3,6% na região de Rondonópolis-MT.


No cálculo foi considerada uma produtividade média de 51,9 sacas por hectare.


O preço médio, de R$60,96 por saca de 60 quilos, foi a média da temporada e contemplou as valorizações do grão com a alta do dólar a partir de meados deste ano. Ou seja, se não fosse o dólar, o resultado teria sido pior.


Tabela 1.


Estimativa de resultado econômico da produção de soja e milho de segunda safra em Rondonópolis-MT em 2014/2015.



Para o milho de segunda safra, as valorizações de junho para cá puxaram a média para cima.


Muitos produtores deixaram para vender a produção 2014/2015 neste segundo semestre, bem como muitos anteciparam a venda da safra 2015/2016 para entrega futura.


A rentabilidade média foi de 0,7% na temporada que se encerrou.


Considerando uma produtividade média de 106,9 sacas de milho por hectare, quem vendeu o milho abaixo de R$17,70 por saca teve prejuízo.


Somando os resultados da soja na safra de verão e o milho na segunda safra o lucro médio foi de R$554,73 por hectare.


Expectativa para 2015/2016


Apesar dos preços mais altos de soja e milho em 2015/2016 no mercado brasileiro, os custos de produção subiram e deverão estreitar as margens do agricultor.


Para quem travou o preço de venda da safra 2015/2016 em novembro de 2015, ao redor de R$71,00 por saca em Rondonópolis-MT, o lucro médio estimado é de R$146,18 por hectare, uma queda de 68,6% em relação ao lucro médio em 2014/2015.


A rentabilidade média, calculada com base no preço da terra na região, está estimada em 1,1%.


Para o milho de segunda safra, estima-se prejuízo de R$373,56 por hectare em 2015/2016. Além do aumento dos custos de produção, o Imea estima uma produtividade menor na temporada, de 100,20 sacas por hectare.


Neste cenário, a saca teria que ser comercializada acima de R$24,00 para o produtor começar a ter lucro.


Somando os resultados da soja na safra de verão e o milho na segunda safra a expectativa é de prejuízo de R$227,38 por hectare em 2015/2016.


Tabela 2.


Estimativa de resultado econômico da produção de soja e milho de segunda safra em Rondonópolis-MT em 2015/2016.



Se a produtividade média em 2015/2016 for de 106,9 sacas de milho por hectare, igual à da safra anterior, o prejuízo cai para R$237,22 por hectare ou uma rentabilidade média de -1,7%.


Neste cenário de produtividade melhor, a saca teria que ser comercializada acima de R$22,50 para o produtor começar a ter lucro com o milho na segunda safra.


Considerações finais


A expectativa é de queda nas margens do produtor de soja e milho (segunda safra) em 2015/2016, no Mato Grosso.


O cenário é de baixa no mercado internacional, com o aumento da produção mundial e demanda crescendo menos. Os preços em dólares caíram.


No mercado brasileiro, a sustentação das cotações vem do dólar valorizado em relação ao real, mas cabe destacar que em novembro os preços da soja e milho caíram no mercado interno, com os recuos da moeda norte-americana.


Com a colheita a partir de janeiro de 2016, os preços podem ceder no Mato Grosso e no mercado brasileiro.


No caso do milho, o cenário de margens negativas pode influenciar na intenção de plantio da segunda safra.


Por fim, o planejamento das estratégias de venda da produção, bem como da compra de insumos é essencial, principalmente em um cenário de incertezas e margens oscilando bastante.


Outro ponto importante é que as simulações foram feitas com base nos valores médios, ou seja, dependendo do caso os resultados podem ter sidos melhores ou piores.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook