• Domingo, 17 de novembro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Fertilizantes e a mudança climática


Quinta-feira, 21 de março de 2019 - 05h45

Foto: www.superbac.com.br


Fertilizantes desempenham dois papéis essenciais na luta contra as mudanças climáticas.


Primeiro, eles evitam o desmatamento, pois permitem o aumento da produtividade em terras aráveis. Eles ajudam a manter a integridade das florestas de todo o planeta, que são importantes consumidoras de carbono.


No contexto da mudança climática, isso é crucial, já que o desmatamento e a perda de áreas úmidas e campos combinados representam cerca de 10% das emissões globais de gases de efeito estufa (GEE), sem mencionar os danos consideráveis ​​ao ecossistema.


A intensificação sustentável da produtividade agrícola em terras aráveis ​​já conseguiu preservar 1 bilhão de hectares de terras entre 1961-2005, e mais pode ser alcançado com a implementação das boas práticas de manejo no uso de fertilizantes.


Em segundo lugar, eles (fertilizantes) também aumentam o potencial de sequestro de carbono dos solos agrícolas, contribuindo para a composição de matéria orgânica (MOS).


A matéria orgânica do solo facilita significativamente a absorção de nutrientes pelas plantas, e o aumento do crescimento das plantas absorve mais CO2 da atmosfera.


Os solos merecem atenção especial, eles podem armazenar de 50 a 300 toneladas de carbono por hectare, o que equivale de 180 a 1100 toneladas de CO2.


Cerca de 89% do potencial futuro da agricultura de mitigar emissões de GEE’s está baseado no sequestro de carbono no solo. 


O sequestro de carbono em solos cultivados pode ser aumentado pela adição de nutrientes orgânicos e minerais apropriados para a produção de biomassa, bem como pela redução do preparo do solo e uso de plantas de cobertura.


A fim de maximizar a captação de carbono na matéria orgânica do solo, a indústria de fertilizantes defende o uso integrado de nutrientes vegetais disponíveis (orgânicos e inorgânicos) para melhorar a produção de culturas e biomassa.


Adaptando-se às mudanças climáticas através das Boas Práticas de Gestão de Fertilizantes.


O setor agrícola é um dos mais vulneráveis ​​às mudanças climáticas, e seus efeitos negativos (tais como eventos climáticos extremos, aumento de temperatura, diminuição da disponibilidade de água e outros recursos naturais) já começaram a afetar severamente a subsistência agrícola em muitas regiões.


O manejo de nutrientes específicos de um local permite uma fertilização correta das plantas que ajuda a melhorar sua saúde e sua resiliência ao estresse climático.


Solos e plantas saudáveis ​​podem resistir melhor ao estresse climático e também contribuir para maior eficiência do uso da água. Além disso, será vital que os agricultores aumentem seus rendimentos em boas temporadas para compensar eventos climáticos potencialmente severos.


As práticas de manejo de nutrientes específicos otimizam a eficácia do produto e minimizam as perdas de nutrientes para o meio ambiente. Os quatro princípios da fertilização são o núcleo dessas boas práticas de manejo. 


Os quatro princípios da fertilização são: o uso do fertilizante correto, aplicação na época certa, na quantidade correta e no lugar certo. Esses princípios são utilizados para que o uso de fertilizantes possa alcançar o objetivo econômico, social e ambiental esperado.


Os quatro princípios são aplicados em todo o mundo, em economias desenvolvidas, em desenvolvimento e emergentes.


Práticas de conservação (como rotação de culturas, preparo reduzido do solo, uso de palhada e culturas de cobertura, por exemplo) podem aumentar a resiliência do solo, reduzindo a erosão e a evaporação da água, enquanto as zonas úmidas contribuem para filtrar a água da superfície.


Combinando a prática de conservação com os quatro princípios da fertilização está começando a mostrar resultados muito bons em conservar a umidade nos solos e reduzir as perdas de nutrientes para o meio ambiente enquanto aumenta a produtividade.


Reduzir as emissões da aplicação de fertilizantes


Ao considerar as emissões de GEE do uso de fertilizantes, o foco deve estar nas emissões relativas das culturas agrícolas cultivadas com o auxílio de fertilizantes.


Zerar a emissão de GEE não é uma meta alcançável, uma vez que estamos lidando com processos biológicos naturais.


Também é vital ter em mente que, enquanto os GEEs são emitidos durante a produção e aplicação de fertilizantes, são obtidas economias muito maiores de GEE como resultado da maior produtividade das culturas através do uso de fertilizantes. Na África Subsaariana (região com o menor consumo mundial de fertilizantes), um aumento de 20% no uso de fertilizantes pode resultar em mais de 2 milhões de hectares de terra poupada e até 13 milhões de toneladas de carbono sequestradas, em comparação com 0,4 milhão de toneladas emitidas (IPNI, 2018).


Reduzir as emissões da produção de fertilizantes 


As emissões de GEE relacionadas à produção de fertilizantes representam aproximadamente 1,0% do total de emissões globais de GEE. Isso pode ser considerado uma quantia insignificante, considerando que a produção agrícola global seria reduzida em 50% sem o uso de fertilizantes minerais. 


Mas a indústria também está comprometida em reduzir suas emissões de GEE relacionadas à produção.


Fonte:


https://www.fertilizer.org/Public/About_fertilizers/Fertilizers_Topics/Climate_Change/Public/About_Fertilizers/Fertilizer_Topics/Climate_Change.aspx?hkey=61ab8ce1-19be-4a94-b1d9-f8c41183e4c3


 



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111