• Quarta-feira, 29 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Vendas fracas


Sexta-feira, 25 de julho de 2014 - 14h34

O mercado atacadista de carne bovina sem osso completa um mês de preços em queda. Nos últimos sete dias o recuo foi de 0,6%. No acumulado do período a desvalorização foi de 2,1%.


A carne de traseiro tem sido vendida por R$15,17/kg, em média, o menor valor desde novembro de 2013. O dianteiro subiu 10,0% no intervalo. Produtos de menor valor agregado são os mais procurados.


A margem da indústria que faz a desossa, porém, que está em 21,2%, se mantém dentro da média histórica e dois pontos percentuais acima da registrada em julho de 2013. Em um ano os preços dos cortes subiram 18,7%.


Mas com o nível de consumo atual, o mercado não tem conseguido lidar com essa alta.


A situação econômica do país preocupa cada vez mais.


O Banco Central divulgou no começo da semana que o PIB deverá crescer 0,97%. No começo do ano a expectativa era de um crescimento ao redor de 2,0%. A produção industrial deverá diminuir 1,15% e a inflação ficar em 6,44%.


Ou seja, não há nada que indique possibilidade de melhora nas vendas. Se a tendência de alta para a matéria prima se confirmar no segundo semestre, será difícil repassar isso ao consumidor.




Desvalorização no varejo

No acumulado dos últimos sete dias houve queda de 1,2% nos preços dos cortes no varejo em São Paulo, de 0,9% no Paraná e de 0,5% no Rio de janeiro. Mercado estável em Minas Gerais.


A população está descapitalizada.


Os preços estão 9,1% maiores que há um ano. Esse parece ser o limite para não prejudicar o consumo.


O atacado impôs uma alta de quase 19,0% no período.


As margens dos varejistas estão diminuindo.


A próxima semana não promete melhora no escoamento. A última semana do mês sazonalmente é a pior para as vendas do varejo.




<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook