• Segunda-feira, 17 de maio de 2021
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Frigoríficos reduzem abate diante de menor demanda por carne


Quarta-feira, 14 de abril de 2021 - 17h00

Foto: yahoo! Finanças

 


(Bloomberg) Os frigoríficos brasileiros estão reduzindo abate enquanto lutam para repassar os custos crescentes aos consumidores que vêm comendo menos carne em meio à queda da renda no país.


Cerca de 45% da capacidade dos frigoríficos do país está ociosa, o maior patamar desde 2012 quando os dados começaram a ser apurados, disse Rodrigo Queiroz, analista da Scot Consultoria responsável pela coleta dados de produção em 13 estados.


Os produtores estão sendo pressionados à medida que as crescentes exportações de carne para a China aumentam os preços do gado. Os frigoríficos não podem repassar totalmente os custos mais altos para os consumidores que lutam com o desemprego quase recorde. Dados da agência agrícola Conab mostram que o consumo per capita de carne bovina em um país conhecido por seus bifes caiu 5%, para 29,3 quilos em 2020, seu nível mais baixo desde 1996.


Embora a forte demanda por carne chinesa e a desvalorização da moeda brasileira tenham amortecido o impacto para as empresas autorizadas a exportar, cerca de três quartos do gado abatido no Brasil ainda são vendidos no mercado interno, segundo a Scot. Embarques de carne do Brasil para a China subiram 33% em março em relação ao ano anterior, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.


O preço que os frigoríficos pagam pelo gado subiu 57% no ano passado, para mais de R$ 316 (US$ 56), de acordo com o Cepea, braço de pesquisa da Universidade de São Paulo. A oferta está apertada porque os fazendeiros retêm as vacas dos matadouros, mantendo-as para reprodução depois que os preços dos bezerros atingiram um recorde.


No início do mês, o frigorífico Frigol anunciou que fechará uma unidade no estado de Goiás e continuará operando apenas nas unidades que podem exportar. Algumas outras empresas deram férias coletivas aos funcionários para reduzir a produção e aliviar parte dos custos operacionais crescentes. “A maior parte das férias coletivas foi concedida por pequenos e médios frigoríficos e alguns estabelecimentos não exportadores de grandes empresas”, disse Queiroz.


A demanda de exportação está pressionando ainda mais o mercado interno, disse o analista da Scot Felipe Fabbri. No mês passado, as partes mais baratas da carne bovina foram vendidas no mercado atacadista a preços 12% mais altos do que no mês anterior devido aos altos preços do gado, de acordo com a Scot.


“Estamos vendo os brasileiros reduzindo o consumo de carne à medida que a taxa de desemprego atinge um recorde e o auxílio emergencial para pessoas de baixa renda foi interrompido no final do ano passado”, disse Fabbri. O Brasil retomou em abril um novo pagamento do auxílio com valor equivalente a menos da metade do ano passado.


Matéria originalmente publicada em:
Frigoríficos reduzem abate diante de menor demanda por carne



<< Notícia Anterior
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook