• Domingo, 14 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Briga com a carne bovina agrava crise


Sábado, 21 de maio de 2011 - 17h29

Rafael de Lima Filho, da Scot Consultoria, especializada em agronegócio, explica que, além do alto preço dos insumos e do menor faturamento nas exportações, as indústrias brasileiras têm que lidar com o excesso de oferta no mercado interno. Por conta da superação da demanda pela oferta, afirma ele, o preço do frango caiu quase 30% em três meses. Em fevereiro, o quilo do produto era vendido por R$2,10. Hoje, está custando cerca de R$1,50. As razões que estão impulsionando o excesso de oferta estão nas dinâmicas atuais do mercado interno e externo do setor. No mercado interno, segundo o consultor, a demanda está patinando porque a carne bovina, a preferida do consumidor brasileiro, está mais barata. No mercado externo, Rafael avalia que a questão cambial não é um fator que inviabiliza as exportações, mas que diminui a rentabilidade das empresas e que pode acarretar queda de volume exportado. O consultor acrescenta que, superada a crise econômica, a produção da carne de frango alavancou no país. – O setor crescia com base em um mercado externo forte e agora acompanhamos uma demanda externa similar a do ano passado. Vencida a crise, em 2010, as indústrias acreditaram na recuperação do setor e produziram 3% ou 4% a mais do que no ano anterior. Só que a demanda não acompanhou este crescimento. Milho e soja devem continuar mais caros Rafael prevê que os preços do milho e da soja permanecerão superiores aos de 2010 até o final deste ano. – A maior parte da produção avícola está nas mãos das grandes integradoras, que terão o poder de controlar a oferta do produto no mercado. A primeira medida da indústria, diante deste cenário de aumento de custos e diminuição de lucros, será reduzir a produção, o que, acredito, acontecerá em breve – conclui. Francisco Turra, presidente da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), ressalta que, se o cenário continuar complicado, todas as indústrias brasileiras vão enfrentar retração: – Não haverá ilha privilegiada. Grandes indústrias catarinenses já anunciaram a possibilidade de redução na produção. Na contramão das previsões do mercado, a Brasil Foods (BRF), fusão da Sadia e da Perdigão, anunciou um investimento de R$1,4 bilhão na produção de frango integrada, que será dividido entre as regiões Sul e Centro-Oeste. Segundo a empresa, o dinheiro está destinado à construção de novos aviários, em sistemas já integrados e independentes, mas que pretendem se integrar. Também, será investido na ampliação e modernização de aviários. Fonte: Diário Catarinense. 21 de maio de 2010.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook