• Segunda-feira, 27 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Acima da média nacional


Terça-feira, 21 de julho de 2009 - 16h55

Comportamento das exportações de bovinos no semestre revela que produto do Estado teve cotação 9% superior As exportações de carnes bovinas de Mato Grosso tiveram valor 9% acima da média nacional, neste primeiro semestre do ano. Apesar, da crise externa mundial que afetou o apetite do consumo dos grandes importadores internacionais e da crise interna estadual, com o fechamento de grandes plantas frigoríficas, houve espaço para a valorização do produto mato-grossense. O preço médio da carne exportada pelo Brasil no acumulado do primeiro semestre de 2009 foi de US$2.111 por tonelada equivalentes a carcaça (tec), enquanto que o preço médio da carne exportada pelo Mato Grosso foi de US$2.315/tec. Como aponta a médica veterinária e analista da Scot Consultoria, Maria Gabriela Tonini, apesar de o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), não detalhar o tipo de corte exportado, “certamente, essa valorização obtida por Mato Grosso, veio das vendas de cortes de maior valor, o que pode ter influenciado o preço”. As vendas externas do Estado totalizaram 92,53 mil toneladas equivalentes carcaça (tec), com faturamento de US$212,33 milhões. O resultado corresponde a 9,5% do volume e 11,4% do faturamento total das exportações de carne bovina do Brasil, que somou 971,31 mil/tec e US$1,86 bilhão, respectivamente. COMPARAÇÃO - Entre o primeiro semestre de 2008 e o mesmo período de 2009, as exportações brasileiras caíram 13% em volume e quase 24% em faturamento. Já em Mato Grosso, analisando este mesmo período, o volume de carne bovina exportado caiu 19,12% e o faturamento encolheu 31,33%. “Portanto, os resultados de Mato Grosso nas exportações de carne bovina foram piores em relação ao que ocorreu no País. A paralisação e o fechamento de unidades frigoríficas no Estado, como conseqüência da crise financeira internacional, influenciaram no desempenho negativo do acumulado dos seis primeiros meses do ano”. IMEA – No boletim semanal divulgado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), o saldo das exportações de carne bovina foi considerado o pior em cinco anos, porém, como observa o Instituto “as exportações de carne de Mato Grosso terminam o semestre com a sensação de recuperação, pois no primeiro trimestre de 2009 foi exportado pouco mais de 35 mil toneladas de carne sendo este o pior desempenho em cinco anos do Estado, mas com o fechamento dos dados do segundo trimestre observamos que foram exportados quase 56 mil toneladas, ou seja, um aumento de 59,0% em relação ao anterior. Em relação ao mesmo período do ano passado, quando Mato Grosso embarcou pouco mais de 59 mil toneladas, a queda foi de 5,8%”. Como explica Gabriela, da Scot Consultoria, a adoção de termos como tonelada equivalente carcaça e apenas tonelada é uma questão de metodologia dos Institutos. “O tec é diferente de tonelada métrica. Tonelada métrica é o volume que vai ao contêiner na exportação, por exemplo. Já a tec é uma unidade que usamos para comparar os diversos tipos de carne bovina exportada (in natura, miúdos, industrializados) com a carcaça de boi, transformar tudo em uma só unidade. O volume em tec é maior que a tonelada métrica”. OUTRAS – Como frisa o assessor econômico da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), Carlos Vitor Timo Ribeiro, se por um lado as carnes bovinas tiveram desempenho negativo no semestre, outras, como as de frango e suína, registram aumentos significativos, tanto em valor quanto em volume. A carne de frango registra alta de 16% em faturamento e em volume. A carne suína teve aumento de 11% em valor e 63,8% em quantum físico, dada a retração nos preços internacionais de 32% no período. A Rússia é o principal mercado da carne bovina e suína de Mato Grosso, respondendo por 32% e 80%, respectivamente. A carne de frango, ao contrário, tem um número bem mais amplo de países importadores, com maior participação da Venezuela, isoladamente, com 53%. Fonte: Diário de Cuiabá. Economia. Por Marianna Peres. 21 de julho de 2009
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook