• Sexta-feira, 1 de julho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Preço estimula venda externa de gado vivo


Terça-feira, 26 de agosto de 2008 - 15h56

As cotações mais altas do gado para o mercado externo - com valorização superior à registrada no mercado interno - estão estimulando a comercialização do animal para o exterior. De janeiro a julho, o Brasil embarcou 216,9 mil animais vivos - que serão abatidos em seus destinos - um volume 22% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Levantamento da Scot Consultoria mostra que, em valores, o crescimento foi de 124%, totalizando US$183,1 milhões. Pelos dados da empresa, o preço médio do animal nos sete meses de 2008, comparado com igual período do ano passado aumentou 102% para US$840,00 por cabeça. A valorização é superior à verificada internamente. A maior parte do animal exportado é oriunda do Pará (95% do total). Em janeiro, a arroba do boi naquele estado custava R$60,00 e, no mês passado, R$75,00 - um incremento de 25%. Na mesma comparação, o gado vivo embarcado saiu de US$730,00 por cabeça para U$1.080,00 - alta de 47,9%. Para Ronald Aitken, superintendente de Relações com Investidores do Minerva, o que ocorreu é que o frete do animal subiu e, por isso, o preço do gado no destino teria ficado mais caro. O frigorífico é o maior exportador nacional de animal vivo - com cerca de 40% do mercado. A empresa espera aumentar em 40% o faturamento com a exportação deste produto. O maior importador do bovino brasileiro é a Venezuela: 73% dos animais embarcados. Segundo a analista Maria Gabriela Tonini, da Scot Consultoria, o país vizinho tem comprado o animal brasileiro porque a economia lá está crescendo e não há oferta suficiente para a necessidade de abate. Além disso, a política do governo local é estimular a indústria nacional e não importar a carne já processada. O segundo comprador do gado brasileiro é o Líbano, com o restante do total. Neste caso, a religião é o que determina a venda do animal para ser abatido lá naquele país. Pelos dados da Scot Consultoria dois estados concentram o envio dos animais: o Pará e o Rio Grande do Sul (com 5% do total) - os gaúchos foram os primeiros a iniciar este tipo de comércio, quando houve excesso de oferta no estado. Para Aitken, a explicação para o Pará ser o principal fornecedor é a disponibilidade de boi, a logística e o preço mais barato. No mês Em julho, todos os animais enviados do Brasil eram oriundos do Pará. No período, o País exportou 35,6 mil bovinos - para uma receita de US$38,7 milhões. Quando o volume é comparado com o mesmo período do ano passado, houve queda. Em julho de 2007 foram embarcadas 46,6 mil reses. Mas, como o preço está mais alto, naquela ocasião, o faturamento com a venda foi menor: US$29,5 milhões. Maria Gabriela explica que o embarque é bem sazonalizado, variando de um mês para outro. Em janeiro, por exemplo, foram 43,5 mil cabeças comercializadas com o exterior - mês com maior volume. No entanto, em março, foram 19,1 mil - menor quantidade. “A variação depende mais da disponibilidade de navio que da demanda. Esta é crescente”, afirma Aitken. Para ele, como o Brasil é o maior exportador de carne, nada mais natural também vender o boi. Fonte: Gazeta Mercantil. Agronegócio. Por Neila Baldi. 26 de agosto de 2008.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook