• Sábado, 13 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Estouro da bolha frustra a aposta no mercado de lácteos


Quarta-feira, 20 de agosto de 2008 - 09h47

O boom do setor lácteo acabou. Especialistas do setor acreditam que a chamada consolidação - incorporação de empresas que fez com que, em seis meses mais de R$2 bilhões fossem investidos em aquisições - provocou uma “bolha” que, agora, estourou. O prejuízo da Parmalat - anunciado na última segunda-feira, no valor de R$73,3 milhões - é um indício. As indústrias estão com dificuldade de repasse dos custos, excesso de produção e redução no consumo. Resultado: as margens que, historicamente, segundo a Moody`s, estavam entre 6% e 10%, caíram para menos de 5% e, em alguns casos, estão negativas. “A aposta foi errada”, diz Luís Vasconcelos, diretor-financeiro da Nilza Alimentos. Segundo ele houve a entrada de grandes empresas no setor, que não conheciam o mercado, e achavam que conseguiriam aumento nos preços (acompanhando a valorização da matéria-prima), o que não ocorreu. Opinião semelhante tem o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Longa Vida (ABLV), Laércio Barbosa. “A bolha estourou”, afirma. Para ele, a consolidação do setor é parte da causa. Aliado a isso, o custo de matéria-prima e a oferta estão maiores que no ano passado, sem repasse ao varejo. Barbosa diz que as margens reduzidas de hoje são reflexo do ano passado. Em 2007 houve falta de matéria-prima e, com isso, o leite ao produtor subiu - no varejo o longa vida chegou a R$2,00 o litro ante aos atuais R$1,30. Melhor remunerado, o pecuarista investiu e a produção aumentou 20%. Assim, segundo ele, existe um excedente de produção que precisa ser escoado e que pressiona o preço. Por outro lado, o bom resultado de 2007 elevou a rentabilidade do setor, o que teria estimulado as compras. “E aquela empresa que está querendo ser vendida, busca faturamento a qualquer custo, piorando ainda mais o cenário”, afirma. A analista Cristiane de Paula Turco, da Scot Consultoria, explica que, na média, o preço do leite pago ao produtor está mais alto que o do ano passado e, aliado a isso, o produtor também teve aumento no custo de produção. “A indústria também está reclamando dos custos”, diz. Segundo levantamento da consultoria, na média, em 2007, os valores pagos aos produtores subiram 36% e, no acumulado deste ano, 9%. Soummo Mukherjee, analista da Moody´s, diz que a redução das margens foi um dos motivos pelos quais a empresa não melhorou o rating da Vigor, por exemplo. “As empresas não conseguiram repassar os custos ao consumidor”, afirma. Pelas estimativas de Vasconcelos, o consumo caiu em torno de 10% desde janeiro, na comparação com 2008. “A inflação dos alimentos pegou o consumidor”, afirma. Mukherjee lembra também que as empresas que estão mais concentradas no segmento de longa vida são as que enfrentam maior dificuldade - pois é uma commodity. Para ele, a consolidação do setor fez com que a capacidade industrial aumentasse e a ociosidade crescesse. “A produção não está acompanhando o investimento industrial”, afirma Mukherjee. Na opinião do vice-presidente do Conselho da Indústria de Laticínios (Conil), Cícero de Alencar Hegg, o setor de alimentos, em geral, está com margens menores, mas dentro da expectativa. “Houve retração em alguns segmentos por conta de inflação”, acredita. Para Barbosa, atualmente, sobrevive quem corta custo. “Tem muita empresa com prejuízo”, afirma. No entanto, segundo ele, como o mercado não está atrativo, a consolidação vai ficar “em banho-maria", pois, na sua avaliação, ninguém vai querer entrar no setor agora. Para o vice-presidente da ABLV, haverá uma mudança no perfil industrial com o direcionamento de matéria-prima do longa vida para outros produtos. É o que está fazendo a Cooperativa Piá. O gerente-comercial da empresa, José Júnior Cabral, diz que não se arrepende dos investimentos - da ordem de R$25 milhões nos últimos anos - para a ampliação de mix. Com isso, a empresa lançou produtos de maior valor agregado e, segundo ele, ganhou mercado. Apesar disso, segundo ele, a previsão é de “alguns meses de dificuldade”. Na avaliação de Vasconcelos, uma das alternativas para a atual crise é reduzir o custo de captação - ou seja, pagar menos ao produtor - e os estoques. A Nilza optou por isso, reduzindo em 10% seu volume. “Eu perdi volume para aqueles que fizeram prejuízo e, com isso, estamos empatando”. Fonte: Gazeta Mercantil. Por Neila Baldi. 20 de agosto de 2008.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook