• Segunda-feira, 8 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Consumo de carne cai, mas preço segue estável


Quinta-feira, 20 de março de 2008 - 10h21

Nestes dias de Semana Santa, o bacalhau, o filé de merluza e os pescados em geral assumem o posto de prato principal. No período da Quaresma, as vendas de carne diminuem até 40% em Ribeirão Preto e região. Mas, ao contrário de outros anos, em 2007 a redução não está impactando nos preços dos bovinos. A restrição ao consumo da carne bovina provoca queda de aproximadamente 20% nas vendas do Distribuidor Integrado, de Ribeirão Preto. “Embora haja movimento de diminuição durante toda a Quaresma, a queda atinge o ápice nessa semana, onde a tradição fica mais forte”, disse o diretor da empresa, Antônio Bariani. O Empório Boi Gordo, de Sertãozinho, registra perdas ainda mais significativas. As vendas de carnes caem 40% no período. Alguns açougues devem fechar as portas na quarta-feira e só reabrir no sábado de Aleluia. Mas a redução de consumo não vai reduzir o preço para o consumidor. O único reflexo pode ser observado nos valores dos cortes traseiros (picanha, contra-filé, alcatra, filé mignon), que este ano apresentam maiores estoques no Brasil devido à decisão da União Européia (UE) de suspender a importação de carne bovina brasileira. Os tipos nobres concentram as exportações para a Europa. Com isso, as carnes de primeira estão mais baratas no mercado interno. Mas o desconto é pequeno, inferior a 10% na Semana Santa. “Essa é uma situação pontual. Não vamos ver recuo de preços em geral”, afirmou o zootecnista Fabiano Tito Rosa, analista da Scot Consultoria, especializada em pecuária. Fonte: EPTV.COM. Caderno A Cidade. 18 de março 2008.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook