• Quinta-feira, 30 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Por ora, Brasil está proibido de exportar carne bovina à UE


Quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 - 18h59

Nenhuma propriedade agrícola brasileira possui no momento autorização para fornecer bois para exportação de carne à União Européia, o que deverá fazer com que as vendas sejam interrompidas a partir de 31 de janeiro, quando entram em vigor novas regras européias. Como houve uma discordância entre os governos brasileiro e europeu sobre o número de fazendas liberadas para exportar à UE, nenhuma propriedade conseguiu autorização sob as novas regras, válidas a partir de quinta-feira, disse um integrante da Comissão Européia nesta quarta-feira. Apenas cerca de 300 propriedades brasileiras, ou 3 por cento das fazendas, deveriam receber permissões para exportar aos 27 países integrantes do bloco europeu, segundo interpretação do comissário de Saúde do bloco, Markos Kyprianou, mas o Brasil enviou uma lista com um número maior de unidades consideradas habilitadas (2.600). Diante dessa divergência, segundo Kyprianou, ainda não há uma lista com as fazendas habilitadas a vender gado para os frigoríficos brasileiros que exportam carne à UE. "Tínhamos considerado cerca de 300 propriedades sendo autorizadas a exportar para a UE, com base em inspeções prévias e informações dos brasileiros", disse o comissário de Saúde à Reuters. "Não há uma lista de propriedades autorizadas... neste momento, não há propriedades autorizadas a exportar para a UE", acrescentou ele. Segundo Kyprianou, como o Brasil enviou na terça-feira uma lista com um número muito maior, mais tempo será necessário para que a checagem das fazendas seja realizada. "Claro que essa situação pode mudar nos próximos dias, mas no momento não há lista aprovada", disse o comissário. O governo brasileiro tinha até o final do mês para elaborar a lista. As restrições impostas pela UE foram anunciadas depois de uma delegação européia ter encontrado, de acordo com o bloco, irregularidades no sistema sanitário e de rastreabilidade do Brasil, no ano passado. Além disso, as limitações seguem um forte lobby feito por fazendeiros do bloco, principalmente irlandeses, que afirmam estar sendo prejudicados pelas exportações brasileiras. Para o analista Fabiano Tito Rosa, da Scot Consultoria, a posição da UE, "na prática, paralisa as exportações de carne in natura do Brasil para lá", a partir de 31 de janeiro. As exportações de carne industrializadas estão fora das restrições, uma vez que o vírus da febre aftosa é eliminado no processo de industrialização. Em 2007, o Brasil exportou 2,53 milhões de toneladas (equivalente carcaça) de carne bovina para todos os destinos, obtendo com essas vendas externas 4,42 bilhões de dólares. Segundo a Abiec, entidade que representa os exportadores de carne bovina do Brasil, as exportações de carne bovina para a UE somaram 543,5 mil toneladas (21 por cento do total), o equivalente a 1,4 bilhão de dólares (32 por cento). De acordo com o analista, os países integrantes do bloco europeu respondem pela maior parte da receita obtida com as exportações por pagarem um preço mais elevado pelo produto brasileiro. Não havia nenhum representante da Abiec imediatamente disponível para comentar o assunto. O Ministério da Agricultura do Brasil afirmou que se manifestará oficialmente sobre o tema mais tarde nesta quarta-feira. "Acho que os europeus, por pagarem melhor pela carne brasileira, podem exigir o que bem entenderem. Agora, a partir do momento que o Brasil atende a exigência, não tem por que restringirem as 300 propriedades...", afirmou Rosa. Segundo ele, o Brasil tem hoje mais de 6 mil propriedades que atendem as exigências da UE dentro de Estados sem problemas sanitários para exportar. "E dessas 6 mil, 2.600, na avaliação do Ministério da Agricultura, atendem todas as exigências da UE." Assim, segundo Tito Rosa, não há como o Brasil selecionar uma lista de 300 propriedades, como quer a UE, se tem 2.600 atendendo as exigências. "Qual critério seria adotado? Então essa regra da UE é arbitrária." O analista disse ainda que, uma vez que os frigoríficos não sabem quais são as propriedades que serão habilitadas, "estão paralisando abates para atender à demanda de carne in natura da UE". Em função do problema, segundo Tito Rosa, provavelmente os frigoríficos vão utilizar o argumento para pressionar o preço pago pela arroba do boi no mercado brasileiro. Por outro lado, disse o analista, há outros fatores altistas para o mercado de boi, como a redução do rebanho nacional após um período de intenso abate de matrizes, e o setor está em expansão, demandando mais gado para abate, em função do crescimento no consumo interno e externo. Fonte: Reuters / Brasil Online. Por Barren Ennis. 30 de janeiro de 2008.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook