• Sexta-feira, 19 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Varejo é o setor que mais lucra com venda de carne bovina


Quarta-feira, 31 de maio de 2006 - 21h17

A grande rede varejista é o setor que fica com a maior fatia do lucro na venda de carne bovina. Isso é fato histórico e natural nas regras do comércio, em qualquer segmento. O problema, porém, segundo estudo da Scot Consultoria, é que esta concentração de lucros pelo varejo tem sido cada vez maior, em detrimento das outras partes da cadeia - o frigorífico e, principalmente, o pecuarista. No dia 24 de maio, por exemplo, segundo levantamento da consultoria, o traseiro do boi, a parte mais valorizada do animal, onde ficam os cortes nobres (picanha, filé, alcatra, contrafilé, coxões, patinho e lagarto), foi vendido por valor 80% maior pela rede varejista em relação ao preço que o pecuarista vendeu a mesma peça. Este levantamento vem sendo feito há um ano pela consultoria, para saber quanto vale o traseiro do boi para os diversos segmentos da cadeia de carnes, sendo que o traseiro representa, em média, 48% da carcaça bovina. No mesmo dia 24, a margem de lucro do varejo ficou em 74% a mais em relação à carcaça do traseiro no atacado (frigorífico) e 49% comparado aos cortes do traseiro, também no atacado. De acordo com o consultor da Scot, Fabiano R. Tito Rosa, para os cálculos foi tomado como base um boi de 16,5 arrobas, com 52% de rendimento de carcaça. Historicamente, conforme Tito Rosa, é o produtor quem fica com a menor parte dos ganhos. "No entanto, as margens do varejo estão cada vez mais elevadas", diz. "Isso mede a concentração de força das grandes redes de varejo, que usufruem de elevado poder de barganha, pressionando os fornecedores", argumenta, e acrescenta que os supermercados estão, também, expulsando os açougues desse comércio. Para mostrar essa tendência, Tito Rosa cita estimativa do Sindicato das Indústrias Varejistas do Estado de São Paulo, apontando que, entre as décadas de 70 e 80, 80% das vendas de carnes ocorriam em açougues. "A previsão, para a década de 2000 a 2010, é a de que esse porcentual caia para 30%." Antes, segundo o consultor, a divisão dos lucros era mais bem distribuída, "embora o varejo sempre tenha ficado com a fatia maior, porque é a lógica". Fonte: O Estado de São Paulo. Suplemento Agrícola. 31 de maio de 2006.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook