• Quinta-feira, 20 de junho de 2024
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Boi - Confinar nos Estados Unidos compensa mais?


Sexta-feira, 3 de maio de 2024 - 06h00


Recentemente, o mercado pecuário tem sido alvo de intensos debates devido aos preços praticados pela arroba do bovino terminado nos Estados Unidos, atingindo aproximadamente US$99,00 por arroba, equivalente a cerca de R$520,00. Em contraste com o mercado brasileiro, especificamente tomando São Paulo como referência, essa diferença representa um ágio de R$290,00, com a arroba hoje negociada a R$230,00, preço bruto e prazo.


Essa disparidade de preços é atribuída a diversas variáveis, incluindo diferenças produtivas entre os sistemas de produção adotados nos dois países. Notavelmente, os Estados Unidos registram o menor número de cabeças de gado da sua história, enquanto a demanda interna permanece sólida e em constante crescimento, contribuindo para a atratividade dos preços.


As diferenças produtivas entre os sistemas de produção bovina do Brasil e dos Estados Unidos são evidenciadas por características distintas em estrutura, práticas de manejo e eficiência operacional. Essas diferenças incluem variações em raças bovinas, condições climáticas, disponibilidade e custos de insumos, terras, mão de obra, tecnologia e transporte.


Uma recente visita realizada pela equipe do Notícias do Front a uma propriedade nos Estados Unidos forneceu dados relevantes sobre o sistema de produção intensivo adotado. Os bovinos são introduzidos como bezerros leves da raça holandesa, passando por um período de 13 meses de confinamento, com um custo de baia de US$11,86 por cabeça (equivalente a R$65,50). São abatidos aos 17 meses, com um peso vivo final de 601,6kg e um rendimento padrão de 63%, resultando em um peso final de 25,26@ de carcaça. Considerando o preço médio de venda por arroba nos Estados Unidos, que é de US$98,06, o preço médio por cabeça, sem a premiação PRIME, alcança US$2.477,75 (cerca de R$13.057,75).



Fonte: Scot Consultoria, Notícias do Front


No que concerne à rentabilidade, o custo de produção por bovino na fazenda analisada foi de US$1.923,86 por cabeça, gerando um lucro de US$553,86 por cabeça (equivalente a R$2.918,84). Estes dados, por si só, demonstram a substancial diferença de rentabilidade entre os sistemas.


A fim de estabelecer um comparativo com o contexto brasileiro, utilizando dados do Confina Brasil atualizados para 15/4, observamos um cenário de 106,6 dias de alimentação no cocho, com um ganho médio diário de peso de 1,6kg e um custo diário de R$15,80. O custo de aquisição de um boi magro é de R$2.906,25. Considerando o preço da arroba em R$236,20, o lucro médio por cabeça é de R$112,98.


Essa disparidade nos lucros entre os dois países é notável, com o lucro médio por cabeça nos Estados Unidos sendo 25 vezes superior ao brasileiro. Além disso, é importante ressaltar que, em uma análise rápida, sem considerar alterações nos custos de produção, para que o sistema de confinamento brasileiro atingisse a mesma rentabilidade em um período de 395 dias, o preço da arroba comercializada teria que se aproximar de R$370,00. Para alcançar a mesma rentabilidade dos Estados Unidos, o preço da arroba precisaria se situar em torno de R$450,00.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja