• Quarta-feira, 13 de novembro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Leite - Como agregar valor na atividade leiteira


Sexta-feira, 19 de outubro de 2018 - 15h40


Nos dias 4 e 5 de outubro, a Scot Consultoria realizou mais um Encontro da Pecuária Leiteira em Ribeirão Preto-SP. Esta foi a sétima edição do evento.


No primeiro dia o enfoque foi a agregação de valor como forma de mitigar o risco da atividade e aumentar os ganhos.


De acordo com os dados preliminares do Censo Agropecuário 2017, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de estabelecimentos agropecuários diminuiu 2,0% em relação ao último censo (2006). Para a pecuária leiteira a queda no número de estabelecimentos que produzem leite foi maior,13,3%.


A saída de produtores de leite da atividade é um reflexo dos desafios de manter a rentabilidade do negócio.


A falta de gestão de risco dentro da porteira, os baixos índices zootécnicos, que refletem em baixa produtividade e rentabilidade são fatores que tiram pecuaristas da atividade.


Pensando nisso, apresentamos algumas das estratégias abordadas no Encontro para aumentar o lucro da atividade através da agregação de valor à produção.


Escala de produção


A baixa lucratividade na agropecuária está relacionada muitas vezes com a escala de produção. O aumento da escala possibilita a redução dos custos fixos que estão relacionados à depreciação de máquinas e benfeitorias.


Esse incremento na produtividade pode ser através do incremento tecnológico. Na atividade leiteria, por exemplo, com investimentos na alimentação animal, consegue-se produzir mais matéria-prima (leite cru) sem realizar novos investimentos em infraestrutura. Outro exemplo é o investimento em genética: a seleção de animais que produzam leite em maior qualidade e quantidade.


Verticalização


A verticalização da produção consiste em diversificar o mix de produtos e/ou fabricar a própria matéria-prima, a fim de diminuir a dependência de fornecedores e/ou compradores para obter maior lucro. Na pecuária leiteira, por exemplo, muitos produtores praticam a verticalização com a produção de insumos, como alimentos volumosos e concentrados.


Além da produção de insumos, pode-se também adicionar outra etapa da cadeia, o processamento do leite para a produção de queijos e outros derivados lácteos, aumentando o valor agregado do produto final. 


Contudo, é importante alinhar a produção à gestão da fazenda e se certificar que todos os processos produtivos ocorrerão de forma eficiente.


Agregação de valor


Agregar valor à produção de leite pode estar relacionado à simples capacidade de produzir mais e com melhor qualidade, uma vez que existem laticínios com programas de bonificação por volume e qualidade.


Outra forma de valorizar o produto e passar confiança ao consumidor final é por meio de programas de certificação de qualidade ou sustentabilidade, que são cada vez mais comuns em diversos setores do agronegócio.


Na produção leiteira, um exemplo é a Embrapa Clima Temperado (Pelotas-RS), que criou o Lableite, com a certificação de confiabilidade em segurança pelo Inmetro. O laboratório certifica cerca de 10 mil amostras por mês de leite com selo de segurança alimentar.


Durante o evento, o palestrante Sávio Santiago, gestor de matérias-primas lácteas da Verde Campo, abordou sobre as de Boas Práticas de Produção (BPP), Boas Práticas Sociais (BPS) e Boas Práticas Ambientais (BPA), como forma de orientar e certificar o produtor de leite. Destacou também a importância de um leite de qualidade (matéria-prima) para a indústria.


Conforme mencionado, adicionar outras etapas de produção, também valoriza o produto final, tais como a fabricação de coalhadas, requeijões, queijos e outros derivados lácteos.

Canastra


Em Minas Gerais, na região da Serra Canastra, produtores se uniram e criaram uma identidade regional agregando valor não só pela produção de um derivado de leite, mas pela característica da produção regional e artesanal. 


A comercialização do Queijo da Canastra fora de Minas Gerais só foi possível através da modificação da lei no. 1.283 em 14 de junho deste ano, o que permitiu a comercialização interestadual de produtos alimentícios produzidos de forma artesanal, com características e métodos tradicionais ou regionais próprios. A produção deve empregar boas práticas agropecuárias e de fabricação e deve ser submetida à fiscalização de órgãos de saúde pública dos estados e do Distrito Federal. Essa mudança na lei foi um grande avanço para os produtores da região e está possibilitando a expansão da comercialização do produto.


Nichos de mercado


Outra forma do produtor valorizar o seu produto é observar as tendências de mercado.


A procura por alimentos orgânicos, por exemplo, é crescente em decorrência da associação do alimento como sendo a versão mais saudável. Por isso, muitas vezes o consumo de orgânicos é destinado às crianças e idosos e dietas especiais. O mesmo vale para o leite A2A2. 


O palestrante Anibal Vercesi Filho, diretor do Centro de Leite do Instituto de Zootecnia, explicou que o leite A2A2 não possui a proteína beta-caseína A1, cuja digestão no trato gastrintestinal humano foi relacionada a diversas doenças, como problemas coronarianos, alergias e diabete mellitus tipo 1.


Contudo, no Brasil, ainda não há uma legislação vigente que permite a comercialização deste produto, mesmo com laticínios e produtores interessados na produção de leite A2A2.


Considerações finais


Existem diversas estratégias de agregação de valor capazes de melhorar o aumento da rentabilidade da atividade leiteria. Contudo, a gestão da fazenda deve estar ajustada com o processo produtivo.


O controle de todas as etapas de produção é essencial para mensurar e avaliar onde melhorar, onde cortar gastos, ou em que parte do processo pode-se aumentar a eficiência.


O dia de campo do Encontro da Pecuária Leiteira da Scot Consultoria aconteceu em duas fazendas. A primeira visita foi na Fazenda Rio Pardo (Laticínio Almeida Prado) em Bocaína-SP, produtora de leite de búfalas em sistema de pastejo rotacionado integrado e a segunda visita foi na Fazenda Cravinhos, no município de Cravinhos-SP, que possui usina de beneficiamento e produz leite pasteurizado com marca própria, o Leite da Fonte.


Para ver o que rolou no evento, com fotos, entrevistas, vídeos e depoimentos acesse https://www.scotconsultoria.com.br/encontros/ 


Referências bibliográficas


Anais do Encontro dos Encontros da Scot Consultoria. Bebedouro: Scot Consultoria, 2018, 324p.


Câmara dos Deputados. Disponível em:. Acesso em: 14/10/2018


Embrapa. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Disponível em:. Acesso em: 13/10/2018.


Nogueira. M.P. Gestão de Custos e Avaliação de Resultados. Bebedouro: Scot Consultoria, 2007, 244p.


 





Vamos falar do boi de R$200,00/@? Participe do Encontro de Analistas da Scot Consultoria e aprenda com grandes nomes da economia e mercado do boi. Acesse https://www.encontrodeanalistas.com.br/ ou ligue para 17 3343 5111 e faça sua inscrição até o dia 15 de novembro, antes da virada de lote!


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



Loja

Facebook