• Domingo, 14 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Mercado sem referência!


Quarta-feira, 30 de maio de 2018 - 16h00

Médico veterinário, pós-graduado pela ESPM, MBA em finanças pelo Insper-SP e sócio diretor da Radar Investimentos


Foto: Scot Consultoria


Fica praticamente impossível qualquer análise de mercado na situação atual, já que com a greve dos caminhoneiros todos os mercados estão absolutamente disfuncionais e a precificação de qualquer ativo fica seriamente comprometida. É impossível definir preços em um ambiente em que o varejo está desabastecido, as câmaras frias das indústrias estão lotadas e a programação de venda dos produtores não pode ser executada.


Como se não bastassem todos os transtornos enfrentados por produtores e indústria no mercado físico, a greve coincidiu justamente com o período de apuração da média de cinco dias que liquidará o contrato de maio/18 na B3, causando problemas também para quem tinha posições no mercado futuro ou seguros de preços mínimo comprados.


O volume de negócios efetivados no mercado físico nesse período foi muito abaixo do que normalmente ocorre e, além disso, os preços negociados refletiam condições muito específicas de oferta e demanda, que obviamente não representam a realidade do mercado como um todo. De todo modo a B3 possui regras para dias em que a coleta de preços não possui um número mínimo de negócios, com o indicador do dia 28/5, que foi arbitrado.


Com o pior momento da greve aparentemente ficando para trás, a questão que se coloca agora é a reação do mercado após a normalização dos negócios. Tendo em mente que muitos bois já comprados foram realocados para frente e que o impacto financeiro nas indústrias foi muito maior do que nos pecuaristas, é de se esperar que na volta às compras haja alguma tentativa de pressão baixista, resta saber se haverá oferta suficiente para dar vazão a essa provável situação.


A consequência imediata dessa dificuldade de se analisar fatos para tomada de decisão foi uma diminuição no já combalido volume do mercado futuro. O contrato de outubro, que chegou a ser negociado acima dos R$152,00/@, recuou novamente para R$150,00/@, refletindo essa expectativa de maior pressão no curto prazo. Durante esta semana houve negócios de preço mínimo para os meses de entressafra com custo entre R$1,00/@ e R$1,35/@ para garantir preços mínimos entre R$144,00/@ e R$145,00/@ para os meses de julho a outubro.


Aproveitar as subidas de preço do mercado futuro para comprar seguros de preço mínimo é sempre uma boa alternativa para a entressafra, ainda mais agora que a volatilidade está em níveis historicamente baixos.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook