• Quarta-feira, 17 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

A Copa brasileira que começou e terminou em “um sete um”


Quinta-feira, 10 de julho de 2014 - 16h19

Problemas sociais - soluções liberais
Liberdade política e econômica. Democracia. Estado de direito. Estado mínimo. Máxima descentralização do poder.


Chegou ao fim a Copa para o Brasil, se não na teoria, pelo menos na prática e nos corações de milhões de brasileiros, após a trágica derrota para a Alemanha no que já se convencionou chamar de Mineirazo. Agora, sem a paixão que tomou conta dos brasileiros no último mês, podemos voltar a criticar a realização da Copa do Mundo no Brasil.


Foram gastos, de acordo com o governo, mais de R$25,0 bilhões com a Copa do Mundo para uma arrecadação de R$17,0 bilhões, o que já traz um prejuízo público bilionário. Além disso, ainda não se conseguiu calcular os custos dos dias parados em feriados em todo o país em contraposição aos lucros auferidos com a atividade turística. E com todos esses cálculos, ficará sempre faltando o cálculo do custo de oportunidade de se usar todos os recursos gastos em outras atividades que poderiam ser mais relevantes para a população brasileira.


Há mais de quarenta anos não se via uma Copa do Mundo tão politizada quanto esta. O governo federal, capitaneado pelo PT, apostou tudo na realização desse evento com a finalidade de alavancar suas candidaturas em 2014. Com o sucesso momentâneo da seleção, foi possível acobertar todas as fraudes e malfeitos que envolveram a promoção do evento. O resultado da semifinal põe por terra a capitalização política do evento, e agora todas as mazelas serão paulatinamente reveladas: os casos de corrupção, superfaturamento, cambismo oficial, favorecimento pessoal, fraudes bancárias, violência policial, mortes e projetos de obras públicas inacabadas são apenas alguns dos casos a serem revelados em breve, como já foram insistentemente denunciados por este Instituto Liberal.


O que não pode nunca ser esquecido é a verdade inegável que não é, nunca foi e nunca será papel do Estado, seja em que concepção política for, promover eventos esportivos de cunho privado. Copa do Mundo não é prioridade pública em nenhum país. Quando as prioridades públicas de um governo estão corretas, o mercado naturalmente se ocupa da promoção de bens e serviços mais extravagantes. Não é coincidência ver o nosso algoz de ontem, a Alemanha, país que tem as prioridades em ordem, ter à disposição da sua sociedade serviços de qualidade, notadamente através do setor privado, e ainda se dar ao luxo de investir posteriormente e através do setor privado no velho esporte bretão, a ponto de atropelar o Brasil, país do futebol (e mais nada além disso), na casa do adversário. Vencer o Brasil num jogo de futebol é apenas um luxo eventual, pequeno e de pouca importância perto de outras vitórias mais importantes. Países liberais como a Alemanha já venceram o jogo da vida.


Por Bernardo Santoro



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook