• Quarta-feira, 18 de outubro de 2017
Scot Consultoria

Dietas vegetarianas causam mais danos aos animais


Quarta-feira, 28 de dezembro de 2011 - 16h49

-A +A

por Jéssyca Guerra

Zootecnista pela USP – Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA).


Este texto, escrito e baseado em um estudo da Universidade de New South Wales, da Austrália, demonstra mais uma vez que a Austrália vem investindo em pesquisas que mostram aos consumidores, principalmente aqueles que se preocupam com o meio ambiente e o bem estar animal, os benefícios do consumo de carne vermelha.

A ética de comer carne vermelha tem sido questionada pelos críticos por suas consequências para o meio ambiente e o bem estar animal. Mas se você quiser minimizar o sofrimento animal e promover uma agricultura sustentável, adotando uma dieta vegetariana pode ser a pior coisa que você poderia fazer.

Renomado especialista em ética, Peter Singer diz que existe uma gama de maneiras de nos alimentarmos e que devemos escolher o caminho que causa o menor dano aos animais. A maioria dos defensores dos direitos dos animais diz que isso significa que devemos comer vegetais em vez de animais.

É necessário em torno de 2 a 10 quilos de plantas, dependendo do tipo de plantas envolvidas, para produzir um quilo de animal. Dada a quantidade limitada de terra produtiva no mundo, parece fazer mais sentido focar nossas atenções culinária em vegetais, porque teríamos, sem dúvida mais energia por hectare para o consumo humano. Teoricamente, isto também deve significar que menos animais sencientes seriam mortos para alimentar os apetites de seres humanos.

Sencientes são animais que sentem, por exemplo, dor, medo, etc..

Mas antes de riscar a carne vermelha da lista do "bom para comer" por razões éticas ou ambientais, vamos testar essas pressuposições.

Dados publicados sugerem que, na Austrália, produzir trigo e outros grãos resulta em pelo menos 25 vezes mais animais sencientes mortos por quilograma de proteína utilizável, mais danos ambientais, e uma crueldade maior com animais do que a produção de carne vermelha.

Como isto é possível?

Agricultura para a produção de trigo, arroz e legumes exige desmatamento da vegetação nativa. Este ato sozinho resulta na morte de milhares de animais australianos e plantas por hectare.

Desde que os europeus chegaram à Oceania, perdemos mais da metade da vegetação nativa da Austrália, principalmente para aumentar a produção de monoculturas de espécies introduzidas para consumo humano.

A maioria das terras aráveis da Austrália já está em uso. Se mais australianos quiserem que suas necessidades nutricionais sejam supridas pelas plantas, a nossa terra cultivável terá de ser ainda mais intensamente cultivada. Isso exigirá um aumento no uso de fertilizantes, herbicidas, pesticidas e outras ameaças à biodiversidade e à saúde ambiental.

Ou, se as leis existentes forem alteradas, mais vegetação nativa poderia ser liberada para agricultura (uma área equivalente aos estados de Vitória e Tasmânia juntos seria necessária para produzir a quantidade adicional de alimentos à base de plantas).

O estado de Vitória, que tem como capital Melbourne, no Sudeste australiano, possui uma área de 237,6 mil km2. A Tasmânia é a maior ilha australiana. Está ao Sul do continente e possui uma área de 65,0 mil km2.

A maioria dos bovinos abatidos na Austrália alimenta-se exclusivamente de pastagem. O pastoreio ocorre principalmente em ecossistemas nativos. Estes mantêm níveis mais elevados de biodiversidade nativa do que as plantações.

Os pastos não podem ser usados para produzir culturas, então a produção de carne aqui não limita a produção de alimentos vegetais. A pastagem é a única forma que os seres humanos podem obter nutrientes de 70% do continente.

Em alguns casos, as áreas de pastagens foram substancialmente alteradas para aumentar o percentual de estoques de vegetais. O pastoreio também pode causar danos significativos, tais como perda de solo e erosão. Mas isso não resulta na destruição do ecossistema nativo necessária para o cultivo.

Este dano ambiental está fazendo com que alguns ambientalistas renomados questionem seus próprios preconceitos. O britânico defensor ambiental George Monbiot, por exemplo, publicamente convertido de vegan para onívoro depois de ler o exposto por Simon Fairlie sobre a sustentabilidade da carne. E o documento do ativista ambiental Lierre Keith sobre o dano incrível para ambientes globais envolvidos na produção de alimentos de origem vegetal para consumo humano.

Na Austrália também podemos encontrar parte de nossas necessidades de proteína usando de forma sustentável a carne de canguru. Ao contrário dos animais de carne introduzidos, eles não trazem danos à biodiversidade nativa. Eles têm pés suaves, produzem pouco metano e o consumo de água é relativamente baixo. Eles também produzem uma carne saudável, com baixo teor de gordura.

A caça aos cangurus é permitida no território australiano de acordo com uma lei federal de 1999. Entretanto cada estado tem leis específicas. No geral, somente quatro espécies de cangurus (as mais abundantes) e duas espécies de wallabies (animal da família Macropodidae, mesma família dos cangururs) podem ser caçadas comercialmente, por caçadores com licença.

As quatro espécies de cangurus que podem ser caçadas totalizam de 15 milhões a 50 milhões de animais nas áreas de caça, dependendo das condições sazonais. O abate de cangurus é definido através de sistema de cotas, revisto anualmente. Em média, dois milhões de animais são abatidos por ano no país.

A carne de canguru possui baixos índices de gordura. A tabela 1 é um quadro comparativo com a carne bovina.




Na Austrália, 70% da carne produzida para consumo humano provêm de animais criados em pastagens com muito pouco ou nenhum suplemento de grãos. Apenas 2% do rebanho bovino australianao é criado em confinamentos.

Cada bovino abatido gera uma carcaça de aproximadamente 288kg. Isto significa 68% de carne desossada que, com 23% de proteína é igual a 45kg de proteína por cada animal abatido. Isso significa 2,2 bovinos abatidos para cada 100kg de proteína animal produzida.

Produzir proteína de trigo significa arar a terra de pastagem e plantá-la com sementes. Aração e colheita matam pequenos mamíferos, cobras, lagartos e outros animais em grande número.

Além disso, milhões de ratos são envenenados em instalações de armazenamento de grãos a cada ano.

No entanto, a perda maior e mais estudada da vida senciente é o envenenamento de ratos durante épocas de pragas.

Cada área da produção de grãos na Austrália registra, em média, uma praga do rato a cada quatro anos, com 500 a 1.000 ratos por hectare. O envenenamento mata pelo menos 80% dos camundongos.

Pelo menos 100 ratos são mortos por hectare por ano (500/4 × 0,8) para cultivar cereais.

O rendimento médio do trigo é de 1,4 toneladas por hectare, sendo que 13% do trigo é proteína utilizável. Portanto, pelo menos 55 animais sencientes morreram para produzir 100kg de proteína vegetal utilizável. Isto é 25 vezes mais do que o verificado para a mesma quantidade de carne de pastagens.

Alguns desses grãos são utilizados para "terminar" gado de corte nos confinamentos (alguns são alimentos para o gado leiteiro, suínos e aves), mas o caso é que muitas vidas mais sensíveis são sacrificadas para produzir proteína utilizável a partir de grãos do que de pastagens de gado.

Há outra questão a considerar aqui: a questão da senciência ou a capacidade de sentir, perceber ou ser consciente.

Você não pode pensar que os bilhões de insetos e aranhas mortas para produção de grãos são sencientes, embora percebam e respondam ao mundo que os rodeia. Você pode considerar cobras e lagartos como criaturas de sangue frio incapazes de sentir, apesar de formar casais e cuidar de seus filhotes. Mas o que dizer de ratos?

Ratos são muito mais sensíveis do que pensávamos. Eles cantam complexas canções de amor para o outro que se tornam mais complexas ao longo do tempo. Cantar de qualquer tipo é um comportamento raro entre os mamíferos, anteriormente conhecido apenas por ocorrer em baleias, morcegos e seres humanos.

Camundongos fêmeas, tentam chegar perto de um cantor romântico qualificado. Agora, pesquisadores estão tentando determinar se as inovações em canção são geneticamente programadas ou se os ratos aprendem a variar suas canções quando amadurecem.

Camundongos filhotes deixados no ninho cantam para as mães - uma espécie de choro para chamá-las de volta. Para todas as fêmeas mortas pelos venenos que são administrados, em média, 5 a 6 ratos filhotes totalmente dependentes, apesar de cantar a chamar suas mães de volta para casa, inevitavelmente morrem de fome, desidratação ou são predados.

Enquanto que o gado, os cangurus e animais de carnes alternativas são mortos instantaneamente os ratos morrem em uma morte lenta e muito dolorosa. Envenenados.

Do ponto de vista do bem estar, esses métodos estão entre os menos aceitáveis modos de matar.

Embora às vezes cangurus filhotes são mortos ou deixados à própria sorte, apenas 30% dos cangurus mortos são fêmeas e apenas algumas estão com filhotes (o código da indústria diz aos atiradores que devem evitar atirar em fêmeas com animais jovens dependentes).

No entanto, muitas vezes esses filhotes de ratos dependentes são deixados para morrer quando deliberadamente envenenamos suas mães aos milhões.

Substituir a carne vermelha, por grãos leva a muitas mortes de animais mais sensíveis, o sofrimento de animais muito maiores e a degradação ambiental significativamente maior. Proteína obtida a partir de herbívoros custa muito menos vidas por quilo: é uma opção de dieta mais humana, ética e ambientalmente amigável.

Então, o que faz um ser humano com fome? Nossos dentes e o sistema digestivo são adaptados para sermos onívoros. Mas agora estamos desafiados a pensar sobre questões filosóficas. Nós nos preocupamos com a ética envolvida na morte de animais de pasto e em saber se existem outras maneiras mais humanas de obtenção de nutrientes adequados.

Baseando-se em grãos e leguminosas traz destruição de ecossistemas nativos, ameaças significativas para as espécies nativas e mortes, pelo menos, 25 vezes mais dos animais sencientes por quilograma de alimento.

O primeiro juíz do supremo tribunal australiano, o excelentíssimo Michael Kirby, escreveu que:

"Em nossa sensibilidade compartilhada, os seres humanos estão intimamente ligados com outros animais. Dotados de razão e da fala, que têm exclusivamente poderes para tomar decisões éticas e unir-se para a mudança social em nome de outras pessoas que não têm voz. Animais explorados não podem protestar sobre o tratamento ou por uma vida melhor. Eles estão totalmente à nossa mercê. Então, cada decisão do bem estar animal, seja no parlamento ou no supermercado, nos apresenta um teste profundo de caráter moral.”

Agora sabemos que os ratos têm uma voz, mas não têm sido ouvidos.

O desafio de ética para comer é escolher a dieta que causa o mínimo de mortes e danos ambientais. Parece ter muito mais apoio ético uma dieta onívora, que inclui carne vermelha de animais alimentados em pastagens e apoio ainda maior para uma que inclui caça sustentável de canguru.

Fonte: Beef Central. Pelo professor Mike Archer. 20 de dezembro de 2011. Adaptado, traduzido e comentado por Jéssyca Guerra, analista júnior da Scot Consultoria.

<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss

Newsletter diárias

Receba nossos relatórios diários e gratuitos

TV Scot

Rádio Scot



Loja

Facebook



  • Copyright 2017, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 – Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111

Receba nossos relatórios diários e gratuitos