• Terça-feira, 16 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Al Gore, as mudanças climáticas e a agricultura


Quarta-feira, 3 de outubro de 2012 - 15h52

Prêmio Nobel da Paz, ex-vice-presidente dos Estados Unidos, produtor do premiado documentário Uma Verdade Inconveniente. Antes de ter essas credenciais, Al Gore já era um respeitado parlamentar no Congresso americano. Foi nessa época, há 24 anos, que José Goldemberg, cientista e ex-ministro da Educação e secretário do Meio Ambiente o conheceu e ficou impressionado com o conhecimento de ciência de Gore. "Ele conseguiu traduzir a língua dos cientistas para o homem real e a política". Foi dessa maneira que Goldemberg apresentou o ex-vice-presidente americano para uma plateia repleta de CEOs e empresários do agonegócio brasileiro, reunidos em São Paulo, no Global Agribusiness Forum, esta semana. Durante dois dias o encontro discutiu formas para que o setor continue crescendo, com sustentabilidade.


Al Gore fala com segurança. Todos os alarmantes dados que mostra são baseados em fatos e pesquisas. "Esta crise climática é difícil de ser aceita por muitos porque nunca antes houve igual na história", afirmou. Para ele, o problema climático é um dos maiores enfrentados pela civilização moderna e está colocando em sério risco o equilíbrio natural do planeta. Gore diz que essa instabilidade foi provocada pelo crescimento desproporcional da população mundial - quadruplicada nos últimos cem anos e o poder das novas tecnologias, que começou ainda no passado com o uso do óleo e do carvão. "Hoje, 85% de nossas tecnologias dependem dos combustíveis fósseis", revela Gore. "Com isso, diariamente colocamos nove milhões de toneladas de CO2 na atmosfera. Esses gases continuarão lá daqui a 20 mil anos". Todos esses gases estão concentrando muito mais calor do sol na atmosfera. Cientistas calcularam a quantidade desse calor extra. Ele é o equivalente à energia gerada pela explosão de 400 mil bombas atômicas todos os dias. "Nosso planeta é grande, mas é um só", alertou.


Ao falar sobre a agricultura, o ativista mostrou como ela está intimamente ligada ao início da atividade humana no planeta. Foi na Idade da Pedra que o homem começou a plantar e a fazer uso da agricultura. E continua sendo essa mesma base de alimentos que faz parte da nossa dieta ainda hoje. "Desde aquela época nunca tínhamos visto um padrão climático diferente na Terra, mas agora está mudando", disse. "E está mudando porque estamos extraindo energia da crosta terrestre". Al Gore mostrou como a energia retirada da crosta, que estava parada ali há milhões de anos, está gerando combustão e desestabilizando o equilíbrio ao qual a civilização humana estava adaptada e é completamente dependente.


Desde que a temperatura do planeta começou a ser medida, por volta de 1880, nunca foram registradas tantas máximas como nas últimas décadas e, mais especificamente, nos últimos anos. Os 14 anos passados foram os mais quentes da história e 2010 o pior deles. "Tivemos mais de 330 meses consecutivos com temperaturas mais altas do que a média do século XX". Gore mostrou imagens de termômetros em diversas cidades do mundo que indicavam temperaturas como 50.2º na China, 53º no Iraque e 56º no Kuwait. Todas foram registradas entre 2010 e 2012.


Paralelamente ao calor extremo, os desastres naturais têm sido mais frequentes e violentos. Novamente, o ambientalista americano usou imagens como prova: seca no rio Amazonas em 2010, terremoto nas Filipinas em 2011, inundações e secas recordes na China neste ano. "Por que tantos eventos têm acontecido? As inundações dobraram nos últimos anos", questionou Gore.


Fonte: Planeta sustentável. Por Suzana Camargo. 27 de setembro de 2012.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook