• Quarta-feira, 29 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Mercado internacional: alta até quando?


Sexta-feira, 13 de julho de 2007 - 13h02

O mercado internacional do leite está aquecido, resultado de uma junção de fatores. Há a retração na disponibilidade de produtos lácteos, simultaneamente à demanda em expansão, em especial dos países emergentes. A alta nas cotações foi tão expressiva que começa a surgir especulações quanto à sustentação desses novos patamares ou se é apenas uma “bolha”, que deve estourar a qualquer momento. DEMANDA AQUECIDA Os fatores que impulsionaram a demanda tendem a perdurar por tempo indeterminado, como a expansão da economia de países emergentes. Com o petróleo ao redor de US$70,00 por barril, a economia dos países produtores do combustível na África, América Latina e Oriente Médio está aquecida. OFERTA RETRAÍDA Apesar da demanda aquecida, a alta nos preços de produtos lácteos no mercado internacional está mais relacionada à oferta retraída. O clima adverso nos principais exportadores, como Austrália e Nova Zelândia (responsáveis por cerca de metade das exportações de lácteos), está entre os principais fatores. Nestes países, a falta de chuvas tem atrapalhado os produtores, A Argentina, por sua vez, enfrenta dificuldades e sofre com a alta taxação das exportações, reduzindo sua participação no comércio mundial. A Índia, também importante exportadora, passa por um período de restrição às exportações e está praticamente ausente do mercado. Como resultado, houve uma disparada dos preços internacionais. O leite em pó reagiu 56% (desnatado) e 61% (integral) entre novembro de 2006 e abril de 2007, de acordo com a FAO (órgão das Nações Unidas relacionado a questões de agricultura e alimentação). O queijo e a manteiga também reagiram, respectivamente, 18% e 34% no mesmo período. BOLHA? Os preços “altos” dos lácteos no mercado internacional, ao que tudo indica, não devem recuar no curto prazo. Entretanto, a previsão é de que eles não devem continuar a subir da maneira como ocorreu desde o início do ano. Um dos motivos é que, com o preço médio internacional cada vez mais alto, a diferença entre o valor médio dos lácteos exportados pela União Européia e pelos Estados Unidos, em relação ao preço médio mundial, deve se estreitar. Como são países que tradicionalmente subsidiam as exportações, os preços melhores aumentariam a atratividade do mercado internacional. O resultado seria o aumento nos volumes exportados por eles. Outro motivo é a alta do preço do leite em pó muito acima dos outros lácteos. Essa alta pode estimular a produção de leite em pó em detrimento de outras linhas. Com isso, haveria uma correção do mercado. Portanto, o mercado internacional de produtos lácteos deve permanecer firme até o final do ano, mas as chances de novas altas significativas se reduzem lentamente.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook