• Terça-feira, 16 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Perspectivas para 2012


Terça-feira, 27 de dezembro de 2011 - 10h36

Segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, sigla em inglês), em 2012, o rebanho leiteiro da Argentina continuará crescendo. Os produtores estão animados com a perspectiva de lucratividade melhor do que a obtida por muitas culturas agrícolas. Em 2011, a produção leiteira do país teve um crescimento de 13,1% e para 2012 está previsto novo incremento. Desta vez de 3,8%. Apoiada pelo clima favorável, alta rentabilidade e preços competitivos, a produção de leite deverá ser recorde e alcançar os 12,4 bilhões de litros, consolidando um aumento de mais de 50,0% em dez anos. Mesmo com o consumo doméstico elevado, de aproximadamente 210 litros equivalentes de leite per capita (o brasileiro consome 161 litros por ano), grande parte da produção argentina é destinada ao mercado externo. A Argentina exporta lácteos para a América do Sul e Ásia, principalmente à China. URUGUAI O setor leiteiro uruguaio segue perdendo espaço para a agricultura. Para compensar essa perda, o país vem aumentando a produtividade por animal, mantendo o rebanho praticamente estável. Apesar do aumento nos custos de produção, a remuneração da atividade tem permitido a utilização de dietas de alto concentrado, mais caras que as de alto volumoso, aumentando a produção, principalmente no período de pastos ruins. Este período coincide com a época de melhor remuneração do leite pelos laticínios. Segundo dados do Instituto Nacional do Leite uruguaio (INALE), a produção leiteira de junho de 2010 a julho de 2011, cresceu em 10,0% e o rebanho leiteiro diminuiu em 2,0% em relação ao mesmo período anterior. Nos primeiros nove meses do ano a captação das indústrias cresceu 18,0%. ESTADOS UNIDOS A produção de leite norte-americana deverá atingir, em 2012, 90,0 bilhões de litros. Um incremento de 1,2% em relação a 2011. O maior número de vacas lactantes e a maior produção por animal contribuirão para esse incremento. Apesar dos altos custos dos alimentos concentrados e os contínuos abates de vacas, o rebanho leiteiro do país continua aumentando mais rápido que o previsto e deve atingir 9,2 milhões de cabeças em 2011 com previsão de queda de 0,2% no número de cabeças em 2012. A produção por vaca também aumentou mais que o previsto e deverá ser de 9,7 mil quilos, em média, em 2011. As importações por parte dos Estados Unidos em 2011 deverão atingir 1,4 bilhão de litros equivalentes de leite. Em 2012, o rebanho leiteiro dos Estados Unidos deverá diminuir para 9,2 milhões de cabeças. Os altos preços dos insumos para a alimentação animal (milho, farelo de soja e alfafa) somado aos baixos preços pagos pelo leite são os principais responsáveis. Esses fatores, provavelmente, contribuirão para a diminuição da produção por vaca, que deverá ser de 9,8 mil quilos no próximo ano. NOVA ZELÂNDIA Estima-se que a produção leiteira na Nova Zelândia em 2012 seja recorde e atinja 19,1 bilhões de litros. Isto significa um incremento de 2,4% em relação a 2011. Segundo estimativas do USDA, o desempenho melhor se deve à manutenção das condições climáticas favoráveis e aumento de 2,1% no rebanho (estimado em 4,9 milhões de cabeças) e incremento na produtividade por animal. O mercado interno absorve 5,0% do leite produzido, o restante é exportado. Por esta razão, qualquer aumento na produção neozelandesa tem impacto sobre a exportação global e, consequentemente nos preços.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook