• Sábado, 13 de julho de 2024
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

O básico bem-feito

Entrevista com a equipe técnica responsável pela pesquisa-expedicionária, Confina Brasil

Segunda-feira, 1 de julho de 2024 - 06h00
-A +A

Nossa missão consiste em compreender a realidade dos sistemas intensivos de produção bovina, fomentando inovações, difundindo boas práticas e colecionando narrativas inspiradoras.

Foto: Bela Magrela


Scot Consultoria: Quais estados e quantas propriedades receberam a expedição durante a primeira rota do Confina Brasil?

Resposta: A primeira rota do Confina Brasil rodou os estados de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul. Na primeira semana, visitamos os confinamentos de São Paulo em 10 diferentes municípios e confinamentos, além de visitarmos a base da Coimma, um dos nossos patrocinadores ouro, em Dracena.

No Paraná, por onde passamos na segunda semana, foram 9 cidades diferentes, para 10 propriedades visitadas, totalizando 20 propriedades nesses primeiros 15 dias de rota.

Para o Mato Grosso do Sul, último estado da primeira rota, foram 13 cidades e 17 propriedades, incluindo visitas à Embrapa Cerrado, Campo Grande-MS e a unidade da Inpasa, também patrocinadora ouro do projeto, em Dourados.

Scot Consultoria: Foram observadas diferenças na estrutura ou no manejo entre os confinamentos?

Resposta: Com certeza! A primeira diferença é com relação à cobertura de baias e cochos. Tanto que, em uma das propriedades visitadas, havia placas solares como cobertura de cocho, algo bem criativo e otimizador de custos. Outra propriedade aproveitava a área de cobertura de cocho para realizar a captação de água da chuva para utilização no confinamento, outro processo interessante.

Acompanhamos também uma crescente em relação às boas práticas de manejo visando o bem-estar animal, como os treinamentos com bandeiras e o “nada nas mãos”, que já são realidades nas propriedades visitadas pelo Confina Brasil.

Scot Consultoria: Quais foram os principais desafios técnicos identificados nas propriedades visitadas? Como o Confina Brasil tem ajudado a superá-los?

Resposta: Sem dúvidas foi a otimização dos custos de produção. A expedição ocorre com a presença dos patrocinadores dos nichos mais importantes dentro do sistema - Casale, Coimma, Currais Itabira, Grupo IFB, Inpasa e Nutron nas categorias Ouro, além de Marcher e Padroniza na categoria Prata - e a discussão sobre preço, nutrição, maquinários, mercado agropecuário, estrutura, desempenho dos animais e resultados sempre ocorre.

Quando juntamos nossos técnicos, os especialistas de cada área e a vasta experiência dos próprios produtores, a troca fica muito rica e todo mundo sai melhor de cada visita.

Scot Consultoria: Foram observadas novas tecnologias sendo implementadas? Quais técnicas de manejo os produtores têm utilizado?

Resposta: O momento da pecuária é delicado. O ciclo de preços acaba por afetar o emprego de novas tecnologias inovadoras.

Mesmo assim, o produtor sempre é muito criativo na hora de buscar alternativas, seja empregando placas solares, biodigestores ou captação de água nas coberturas, pensando em tempos de adversidades climáticas e na corrida energética.

A preocupação com a sustentabilidade também é algo que estamos acompanhando na maior parte das visitas até o momento. Ações como o reaproveitamento de dejetos e a instauração de biodigestores são realidades cada vez mais presentes na pecuária brasileira.

Scot Consultoria: A expedição ainda está em andamento, mas qual é a impressão geral deixada até o momento pela primeira rota? Quais são os próximos estados a serem visitados?

Resposta: A primeira impressão é de um pecuarista resiliente, apaixonado pelo que faz e que mesmo na fase de baixa de ciclo de preços segue pensando em crescer.

Como comentado anteriormente, a sustentabilidade dentro dos sistemas de produção é realidade em nosso país, os treinamentos de bem-estar animal estão ganhando seu espaço e esse tipo de informação precisa ser disseminada. O Confina Brasil está aí para isso, para levantar dados e mapear as boas práticas que ocorrem na produção pecuária brasileira.

A pesquisa-expedicionária ainda tem muito chão pela frente em 2024. A primeira rota termina no dia 28 de junho, em Mato Grosso do Sul. A segunda rota passará por Rondônia, Mato Grosso e Goiás. Já a terceira rota segue do Goiás até Tocantins e Pará. A quarta e última rota passará por Maranhão, Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo.

Ou seja, são 12 estados e mais de 170 propriedades visitadas.

Isso é o Confina Brasil deixando sua marca na pecuária brasileira!


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja