• Sábado, 25 de maio de 2024
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Alta no preço das carnes impulsiona o consumo de pescado

Entrevista com o diretor presidente da PEIXE BR, Francisco Medeiros

Terça-feira, 25 de outubro de 2022 - 16h00
-A +A

Médico-veterinário, formado pela Universidade Federal de Uberlândia, diretor-presidente da PEIXE BR

Foto: Envato


Scot Consultoria/ Destaque Rural: Como está o mercado de pescados no Brasil?

Francisco Medeiros: É um momento de bastante cuidado, considerando um cenário pós-pandemia. Tivemos alterações significativas na produção, nas commodities e no poder de compra do consumidor. São momentos difíceis, que estão acometendo todas as cadeias de proteína animal.

Scot Consultoria/ Destaque Rural: Qual o cenário da piscicultura nacional?

Francisco Medeiros: Hoje a piscicultura nacional concentra cerca de 60% da produção de tilápia, que apesar de ser uma espécie estrangeira já está adaptada ao nosso clima e sendo produzida em larga escala. As espécies nativas e estrangeiras, como carpas, trutas e salmão, correspondem a 35%.

Scot Consultoria/ Destaque Rural: Sobre a criação de tilápias, ela já está estabelecida no Brasil? Conseguimos criar essa espécie em diversas regiões?

Francisco Medeiros: Somos o principal produtor de diversas cadeias que não são nativas do Brasil. A tilapicultura é um produto do agronegócio brasileiro como qualquer outro.

Nesse sentido, trabalhamos com melhoramento genético, rações de excelente performance, sistemas produtivos mais eficientes e redução de custos, otimizando a produção em diversas regiões.

Scot Consultoria/ Destaque Rural: Sobre a competitividade do mercado externo, como o Brasil está posicionado?

Francisco Medeiros: Quando a gente considera o pescado de maneira geral, o produto mais exportado, em volume, é a tilápia. As exportações brasileiras têm crescido, principalmente nos últimos 3 anos e, em 2022, já crescemos 88% até agosto.

Tivemos uma mudança de perfil nos nossos principais estados exportadores, passando a liderança do Mato Grosso do Sul para o Paraná, principalmente em relação às exportações de filé de tilápia e da tilápia inteira.

Scot Consultoria/ Destaque Rural: Quais as expectativas relacionadas ao consumo de pescados para esse final de ano?

Francisco Medeiros: O consumo de peixes de cultivo teve um aumento considerável durante a pandemia. Normalmente, no período de inverno, temos uma queda na produção que só retoma em setembro, mas no inverno deste ano não observamos essa diminuição.

O preço da tilápia nas praças de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo está em alta e vemos melhorias na remuneração ao produtor.

Scot Consultoria/ Destaque Rural: Como está a diferença econômica do peixe para as demais proteínas?

Francisco Medeiros: Em relação aos preços, o tambaqui, por exemplo, que costuma ser comercializado inteiro nos mercados das regiões Norte e Centro-Oeste, é um produto popular e precificado na faixa de R$13,00 a R$17,00/kg, mas esse preço, normalmente, sobe se você compra o peixe fracionado.

No caso da tilápia, nós temos três produtos mais importantes: o filé, as postas e a tilápia inteira congelada. Esses produtos podem ser encontrados com diversos preços, então temos pescados para todas as faixas econômicas, permitindo uma maior acessibilidade a essa classe de alimentos.


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja