• Domingo, 15 de setembro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

As consequências da greve batem à porta


Quinta-feira, 7 de junho de 2018 - 17h50

Foto: veja.com.br

 


Durante as duas últimas semanas o Brasil sentiu a paralisação dos caminhoneiros em protesto ao valor cobrado dos combustíveis. Nesses dias, o escoamento e entrega de insumos de todos os setores nacionais foram prejudicados. Agora com a retomada normal do fluxo nas rodovias, conseguimos ter dimensão do quanto isso impactou o setor de proteína animal.


Para tratar melhor sobre o assunto e esclarecer algumas dúvidas, convidamos Ricardo Santin vice-presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), para uma entrevista.


Veja a seguir:


Scot Consultoria: Quais as consequências da greve dos caminhoneiros na exportação de carne? É possível mensurar o tamanho das perdas financeiras para a exportação?


Ricardo Santin: Ainda não é possível determinar se os embarques não-efetivados não poderão ser recuperados nos próximos dias – com base nas médias diárias para o período, podemos considerar que o Brasil deixou de exportar mais de 120 mil toneladas de carne de frango e de suínos durante a greve.


Entretanto, de forma geral e somando com as perdas internas de comercialização, custos logísticos e outros, a partir de levantamentos que fizemos junto aos associados, a avicultura e a suinocultura do Brasil foram impactadas em R$3,15 bilhões nestes 10 dias.


Scot Consultoria: E qual setor das proteínas animais foi o mais prejudicado com a paralisação?


Ricardo Santin: Não podemos responder pelo setor de bovinos.


Se consideramos apenas a mortandade de animais, o setor de aves foi mais impactado.  Mas é preciso considerar tudo que está nesta conta, que envolve toda a retomada a produção e da distribuição de produtos, o que torna as perdas para avicultores e suinocultores equivalentes proporcionalmente.


Scot Consultoria: Existe algum plano para evitar maiores perdas, caso a paralização das rodovias retome?


Ricardo Santin: Não existe a crença de que os movimentos sejam retomados.  Entretanto, o setor tem preparado planos de contingência para evitar estragos maiores.


Scot Consultoria: Como ficaram os contratos de exportação que não puderam ser cumpridos? Há algum tipo de multa as indústrias?


Ricardo Santin: Esta é uma negociação entre o exportador e o importador.  Obviamente, há custos com a perda dos embarques, prejuízo logístico e multas contratuais caso a caso.


Scot Consultoria: São reversíveis os danos as exportações de carne brasileira, mesmo com um 2018 difícil em virtude de Operação Carne Fraca, Operação Trapaça e paralisação dos caminhoneiros?


Ricardo Santin: Existem danos permanentes que já são considerados prejuízos e não são recuperáveis, e que se somam às situações das exportações para mercados como União Europeia e Rússia.  O que o setor buscará é compensar com ainda mais trabalho e busca por novas oportunidades de exportação. Mais trabalho é o único caminho. 


Entrevistado: 



Ricardo João Santin, vice-presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).


 


 




O Encontro dos Encontros está chegando e acontece de 30/9 a 4/10 em Ribeirão Preto - SP. Todos os eventos – Encontro de Criadores, Adubação de Pastagens e Pecuária Leiteira – envolverão temas relevantes à pecuária sob a visão de grandes líderes do mercado. Para saber mais, acesse o site www.encontros.scotconsultoria.com.br ou ligue para (17) 3343-5111.


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111