• Quinta-feira, 30 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Conjuntura - Agronegócio: rentabilidades médias em 2021 e expectativas


Segunda-feira, 28 de março de 2022 - 16h30

Foto: Scot Consultoria


Artigo originalmente publicado na íntegra na revista Agroanalysis.


A Scot Consultoria calcula anualmente as rentabilidades médias das atividades agropecuárias e outras opções de investimento de capital. 


Para este cálculo são utilizados modelos econômicos que levam em consideração fatores estimados para cada negócio agropecuário (índices técnicos, localização e estrutura produtiva), conforme o nível tecnológico. 


Neste sentido, ressaltamos que os resultados apresentados podem ter significativa variação, conforme alteração dos índices produtivos. 


Resultados em 2021 

Com a pandemia e queda na economia mundial, a cotação do dólar subiu em 2021 (8,1%). 


No mais, o cenário de incertezas aumentou a procura pela moeda norte-americana. Os investimentos em ouro, principal investimento em 2020, teve valorização modesta de 2,7% no ano passado. 


Após estímulos financeiros para combate à pandemia, a inflação, que afetou os mercados globais, foi destaque. No Brasil, o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), teve alta de 17,4% no acumulado do ano passado, acima do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que encerrou 2021 com variação de 10,1%. 


O Ibovespa, descolado das principais bolsas no mercado internacional e influenciado pela maior atratividade em investimentos de renda fixa após o aumento da taxa básica de juros no país (Selic), teve uma forte retração em 2021, de 11,9%. 


Já dentre as atividades agrícolas e pecuárias, os destaques foram a soja e o milho (agricultura anual), que apresentaram rentabilidades médias de 14,4% em 2021. 


Os preços dessas commodities subiram fortemente em 2020 e seguiram a trajetória de alta em 2021, puxados pela demanda aquecida (mercado interno e exportação), câmbio em alta e baixos estoques internos. 


Na pecuária de corte, os resultados melhores foram para a recria, engorda e ciclo completo, comparativamente com a cria, em função do forte aumento nos preços do boi gordo, aumento dos custos de produção e incremento na oferta de bezerros, que manteve os preços das categorias mais jovens sem muita movimentação. Mas no geral, os resultados superaram os de 2020, em função do aumento expressivo nos preços do boi e bovinos para reposição. Destacamos também as rentabilidades maiores para os sistemas com aplicação crescente de tecnologia. 


Já na pecuária de leite, os preços do leite ao produtor subiram consideravelmente em 2021 frente a 2020 devido à produção menor, prejudicada pelo aumento nos custos de produção e clima mais adverso no Sul do país. No entanto, os resultados da atividade foram prejudicados pelo aumento expressivo nos custos de produção, principalmente nos sistemas de baixa produtividade, que tiveram resultados negativos por mais um ano. 


No setor de cana-de-açúcar, a demanda por combustível teve forte retomada em 2021, com um maior controle da pandemia e diminuição das medidas de restrição no país, elevando o consumo de etanol. Além disso, os preços da cultura foram afetados pelo clima, devido a redução da produção em 2021, e pela alta dos combustíveis fósseis. Os preços do ATR (Açúcar Total Recuperável) subiram de abril até dezembro do ano passado.


Veja na tabela 1 as rentabilidades agropecuárias, os indicadores econômicos em 2021 e um comparativo com o ano anterior.


Tabela 1. Rentabilidades médias em 2020 e 2021.

Fonte: Scot Consultoria


Expectativas para 2022 

As expectativas para 2022 são de manutenção dos preços em patamares elevados para a soja e o milho, com a demanda interna aquecida e, por ora, um câmbio favorável às exportações brasileiras. Além disso, as quebras de produção na América do Sul, comentadas na última edição, devem manter a oferta global, principalmente de soja, ajustada. 


No entanto, a atenção será com relação aos custos de produção para a próxima temporada (2022/23), visto a disparada nos preços dos adubos e defensivos no mercado brasileiro em 2021. 


No mercado do boi, estimamos mais um ano de retenção de fêmeas, diante da atratividade dos preços dos bezerros, mas devemos começar a sentir uma maior oferta de animais no mercado, mantendo expectativas de preços firmes e em patamares mais altos, a exemplo de 2021. 


Para o leite, o cenário é de oferta de matéria-prima (leite cru) mais ajustada, mas as incertezas com relação à demanda ainda pairam e podem limitar as altas nos preços do leite ao produtor. 


Para a pecuária, de maneira geral, destacamos os custos de produção ainda em patamares elevados em 2022, que deverá continuar pressionando as margens da atividade.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook