• Quarta-feira, 8 de dezembro de 2021
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Boi - Exportação de carne bovina: evolução dos preços internacionais e competitividade entre países


Segunda-feira, 13 de setembro de 2021 - 16h00

Foto: Scot Consultoria


O Brasil é o segundo produtor de carne bovina do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.


Estima-se que em 2020 o Brasil tenha produzido 10,1 milhões de toneladas em equivalente carcaça, enquanto os EUA produziram 12,4 milhões (USDA).


Os demais produtores, por ordem de importância são: União Europeia, China, Índia, Argentina e Austrália, em ordem decrescente. Veja na figura 1.


Figura 1. Evolução da produção de carne bovina de 2010 a 2021 dos cinco maiores produtores mundiais, em milhões de toneladas equivalente carcaça (tec*).



*A tonelada equivalente carcaça é uma unidade de medida que padroniza a pesagem da carne bovina, incluindo produtos que levem em consideração o cozimento de carnes industriais e desossa dos cortes de carne.
Fonte: USDA / Elaboração: Scot Consultoria


Quando a conversa é sobre exportação, os papéis se invertem. Em 2021, o Brasil vem ocupando a primeira colocação, seguido dos Estados Unidos (USDA).


De forma decrescente, os principais exportadores são: Brasil, Estados Unidos, Índia, Austrália, Argentina, Nova Zelândia, Canadá e Uruguai. Veja na figura 2.


Figura 2. Evolução da exportação de carne bovina de 2010 a 2021 dos cinco maiores exportadores mundiais, em milhões de toneladas equivalente carcaça (tec).



Fonte:
USDA / Elaboração: Scot Consultoria


O desempenho das exportações brasileiras de carne bovina tem sido positivo nos últimos anos, com crescimento médio em volume de 4,8% ao ano, desde 2010, com destaque para os incrementos maiores a partir de 2018, com a China aumentando as importações.


O crescimento da demanda chinesa tem ocorrido para suprir a crise de abastecimento de proteínas de origem animal no país, após o surto de peste suína africana (PSA), que diminuiu expressivamente o plantel suíno chinês em 2018. Veja mais na tabela 1.


Tabela 1. Volume (mil toneladas) e faturamento (US$ bilhões) das exportações de carne bovina in natura do Brasil e participação do mercado chinês, entre 2015 e 2021.



*Dados parciais até agosto de 2021.
Fonte: Secex. Elaboração: Scot Consultoria.


Mercado concorrente

No mercado de carne bovina, os principais exportadores para a China além de Brasil e Estados Unidos, são Austrália, Uruguai, Nova Zelândia, Chile, Costa Rica e Canadá.


Os principais concorrentes brasileiros, considerando o volume exportado de carne in natura, estão listados na tabela 2.


Tabela 2. Total de carne bovina in natura exportada para a China, em mil toneladas.



*Dados parciais até junho de 2021.
Fonte: US Meat Export Federation, INDEC e Department of Agriculture, Water and the Environment, International Trade Centre, MLA. Elaboração: Scot Consultoria.


Vemos que o Brasil apresenta grande vantagem no volume exportado para a China.


As exportações dos EUA para a China estão crescendo ao longo deste ano quando comparado ao ano passado, mas representam apenas 20% do volume comercializado pelo Brasil no mesmo período (junho de 21).


Preços da carne bovina

A competitividade brasileira no mercado internacional de carne bovina se dá por três motivos.


O primeiro deles é o grande volume produzido. Como mencionado, o Brasil é o segundo produtor mundial de carne bovina, com um grande potencial para atender a demanda externa.


O segundo motivo está relacionado aos preços do produto exportado, que quando comparados aos de países concorrentes, são menores, como será mostrado adiante.


E, por fim, o terceiro motivo é a possibilidade de aumentar a produção através da intensificação da atividade pecuária. Com o aumento de produtividade (@/ha) através do uso de tecnologias, é possível produzir mais, sem a necessidade de aumentar a área atualmente dedicada a essa atividade.


Em 2020, a Argentina registrou o menor preço por tonelada de carne bovina in natura exportada, seguida por Brasil, Nova Zelândia, Uruguai, EUA e Austrália. A desvalorização do peso argentino frente ao dólar americano, determinou esse cenário. Veja na tabela 3.


Tabela 3. Preço médio (US$) pago por tonelada de carne bovina in natura exportada.


Fonte: Secex, USDA, U.S. Meat Export Federation, Dirección Nacional de Estadísticas del Sector Externo, INDEC, Meat & Livestock Australia, ABARES, International Trade Centre, INAC. Elaboração: Scot Consultoria.


A carne brasileira apresenta boa competitividade comparada às carnes norte-americana, australiana, neozelandesa e uruguaia. Entretanto, quando comparada à carne argentina, nos últimos dois anos, o Brasil vem apresentando um preço médio maior.


Conclusões

O Brasil, entre seus concorrentes, é o maior exportador, em volume, de carne bovina in natura para a China.


A carne brasileira está competitiva no mercado internacional e o câmbio, nos patamares atuais, mantém as exportações brasileiras firmes.


Referências

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos da América (USDA)


Secretaria de Comércio Exterior (Secex)


US Meat Export Federation


Instituto Nacional de Estadística y Censos (INDEC)


Department of Agriculture, Water and the Environment


International Trade Centre


MLA, Meat & Livestock Australia


Dirección Nacional de Estadísticas del Sector Externo


Australian Bureau of Agricultural and Resource Economics and Sciences (ABARES)


Instituto Nacional de Carnes (INAC)



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook