• Domingo, 17 de outubro de 2021
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Gestor - Agricultura de precisão: otimização do agro


Terça-feira, 29 de dezembro de 2020 - 09h45


Introdução
 

Devido ao aumento populacional e à necessidade de atender a demanda crescente de alimentos, o aumento da produtividade, aliado à minimização dos impactos ambientais relacionados à produção de alimentos, se tornou uma preocupação mundial, de modo que a agricultura de precisão (AP) se mostra promissora para atingir esse objetivo. 


Ela consiste em um conjunto de técnicas e tecnologias que possibilitam o gerenciamento de acordo com a variabilidade espacial e temporal dos cultivos. Em outras palavras, é possível analisar as heterogeneidades de um terreno por meio de características físico-químicas do solo, fertilidade, densidade e umidade, entre outras, para então decidir qual a melhor maneira de explorá-las. Dessa forma, há uma maior precisão na quantidade de recursos para cada área do terreno no momento adequado, ao invés de manejar o terreno de forma igualitária. 


Sua base é a minimização de perdas, que leva à potencialização de ganhos econômicos e ambientais. 


Os objetivos da AP incluem: otimização dos insumos, aumento da produtividade, melhoria da qualidade do produto, melhor qualidade de operações, aumento da lucratividade e minimização dos impactos ambientais. 


Por outro lado, suas principais desvantagens são: custo de implementação do sistema, adequação às novas tecnologias, falta de profissionais especializados e a possível redução de empregos no setor.


Como funciona e quais suas aplicações? 

A AP se baseia na integração da leitura do cenário de produção considerando a variabilidade espacial e temporal, interpretação e planejamento desses dados, para então ser possível a atuação de acordo com o objetivo almejado.


Figura 1. Etapas e possibilidades da agricultura de precisão.
Fonte: Adaptado de Bernardi et al., 2014, elaborado por Scot Consultoria.


A AP pode atuar em todos os processos do ciclo produtivo agrícola. Durante a preparação de solos, é possível realizar análises por meio de sensores de solo para se determinar as variações de produtividades, assim como a divisão do terreno para a aplicação de fertilizantes e corretivos.


Durante o plantio, com as informações do terreno coletadas previamente, uso do sistema de posicionamento global por satélites (GPS) e sistema de informação geográfica (GIS - softwares que manuseiam dados geográficos), é possível realizar um plantio estratégico de acordo com o potencial do terreno mapeado.


No acompanhamento da lavoura, a AP pode auxiliar na irrigação, aplicação localizada de defensivos agrícolas e acompanhamento de pragas e doenças.


Por fim, maquinários equipados com sensores podem quantificar e mapear a produtividade da cultura de interesse no processo da colheita.


Sensores remotos (satélites, drones e aviões) podem auxiliar no processo de mapeamento de dados e maquinários podem funcionar automaticamente a fim de otimizar a aplicação de insumos. 


E o mercado para esse setor?

Segundo a Markets and Markets, empresa de consultoria dos Estados Unidos, o setor deve crescer 82,8% até 2025, considerando o cenário mundial. Segundo relatórios, há uma movimentação anual de US$7 bilhões, com um crescimento anual médio de 12,7%, devendo chegar a US$12,8 bilhões em cinco anos.


Pesquisa realizada no Brasil em 2017 apontou que apenas um terço dos produtores rurais adotavam alguma técnica ou tecnologia de AP. Contudo, essa participação aumentou 84% em 2020, segundo outro estudo realizado pela Embrapa em parceira com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). 


Consideração final

Apesar da sua importância, a AP ainda é incipiente no Brasil. É esperado que haja uma adesão gradual dos produtores a essas novas possibilidades, uma vez que se trata de uma transição que demanda investimento, profissionais qualificados e novas técnicas e tecnologias.


Bibliografia:


BERNARDI, A. D. C.; NAIME, J. D. M. RESENDE, A. D.; BASSOI, L. H.; INAMASU, R. Y. Agricultura de precisão: resultados de um novo olhar. Embrapa Instrumentação – Livro técnico (INFOTECA-E), 2014.


Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa. Disponível em: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/cana-de-acucar/arvore/CONTAG01_72_711200516719.html. Acesso em: 15 de dezembro de 2020.


Markets and Markets, 2020. Disponível em: https://www.marketsandmarkets.com/Market-Reports/precision-farming-market 1243.html. Acesso em: 15 de dezembro de 2020.


TSCHIEDEL, M.; FERREIRA, M. F. Introdução à agricultura de precisão: conceitos e vantagens. Ciência Rural, v. 21, n. 1, p. 159-163, 2002.




Dia 25 de novembro acontecerá o Encontro de Analistas da Scot Consultoria, um evento em que grandes especialistas discutirão as principais tendências econômicas e seus reflexos no mercado do boi gordo. Entre em contato conosco pelo WhatsApp 17 98171 2100 e faça sua inscrição. Vagas limitadas.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook