• Sábado, 5 de dezembro de 2020
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Insumos- Quando R$1,00 faz muita diferença


Segunda-feira, 1 de outubro de 2012 - 17h20

Introdução


O custo médio do bovino engordado em confinamento e o retorno da atividade são preocupações permanentes do invernista.

Neste ano, o preço do milho subiu, o preço do farelo de soja disparou e o preço do boi gordo só reagiu no final de agosto.

Na região Centro Sul do país, segundo levantamento realizado pela Scot Consultoria, as diárias dos boitéis variam de R$5,50 a R$7,00 por cabeça/dia, dependendo da composição da ração.

A dieta, depois do boi magro, é o item que mais onera o confinamento.

Custo do animal engordado

Utilizando um valor médio de R$6,00/cab/dia e considerando um período de 90 dias de cocho e a compra do boi magro (12@ - 360kg) feita em julho em São Paulo, a um preço de R$1,16 mil/cabeça, o custo do bovino confinado, incluindo o frete do boi magro, ficou em R$1,715 mil (tabela 1).



Supondo que a dieta tenha sido formulada com ingredientes comprados no pico de preços, levando o boitel ao valor máximo encontrado pela Scot Consultoria, R$7,00/cabeça/dia, o custo total do boi gordo chega a R$1,805 mil, aumento de 5,2% (tabela 2).



Essa situação indica a importância do planejamento na compra do insumo. Muito pecuarista foi pego de surpresa com a alta repentina do milho em 2012. Entre os dias 5 e 20 de julho, o grão subiu 35%, depois das notícias da quebra da safra norte americana (figura 1).



O farelo de soja subiu 107% desde o início do ano e 36% no segundo semestre. O insumo está cotado em R$1,42 mil por tonelada em São Paulo.

Estes fatores somados, possivelmente tenham desencorajado parte dos confinadores a enfrentar uma segunda rodada de confinamento.

Retorno da atividade

Diante dos resultados das duas situações de custo propostas, com um boitel a R$6,00/cabeça/dia e outro a R$7,00/cabeça/dia, fica clara a importância do custo da dieta.

Há outros fatores que interferem no resultado, como rendimento de carcaça e preço de venda, entre outros. Porém, a intenção desta análise foi mostrar, para situações iguais, quanto a dieta influencia o resultado.

O retorno da atividade cai em 5,5 pontos percentuais quando o preço pago pelo boitel é maior. Tabela 3.




Considerando um confinamento de duas mil cabeças, o lucro líquido para o boitel cuja diária é mais barata será de R$378,8 mil, contra R$199,0 mil com o custo do boitel em R$7,00. Tabela 4.




A diferença é suficiente para comprar 152 bois magros, ou 234 bezerros desmama anelorados.  Um real faz muita diferença!



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook