• Domingo, 10 de dezembro de 2017
Scot Consultoria

Três pontos de atenção para o mercado da soja em 2017/2018


Terça-feira, 28 de novembro de 2017 - 16h40

-A +A

por Felippe Reis

Zootecnista pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) – Maringá-PR. Analista da Scot Consultoria. Um dos editores dos informativos, Boi & Cia e do Tem Boi na Linha (TBL), integrante do time de grãos.


Foto: Scot Consultoria


Podemos dizer que a temporada 2016/2017 foi diferente da temporada 2015/2016.


O clima ajudou e a produção foi recorde na safra que se encerrou, ao contrário da anterior, onde a escassez de chuva resultou em quebra da safra e, consequentemente, oferta restrita.


Na temporada 2016/17, a produção foi de 114,08 milhões de toneladas (CONAB).


Para 2017/2018, em fase de semeadura, apesar da perspectiva de aumento de 2,1% a 4,2% na área com a cultura, a produção deverá ser entre 4,8% e 6,7% menor, resultado da expectativa de queda da produtividade.


Dito isso, vamos aos pontos de atenção para o curto e médio prazo prazos:


Clima


Após um período de estiagem no plantio, as chuvas se normalizaram e estiveram bem distribuídas em todo o país, favorecendo o avanço do plantio nas regiões produtoras, principalmente no Centro-Oeste onde o atraso era maior.


Em curto e médio prazos a expectativa é de clima favorável para a conclusão do plantio e desenvolvimento das lavouras.


De qualquer forma, ainda existem algumas incertezas climáticas, que de alguma maneira poderão afetar o mercado mais adiante.


Exportação


A exportação é recorde, 63,66 milhões de toneladas de janeiro a outubro.


Apesar do dólar em patamares maiores em 2016, a oferta restrita (resultado da quebra da safra) limitou a exportação no ano passado.


Agora, com a produção recorde e a boa disponibilidade do grão, estima-se que o Brasil feche 2017 com cerca de 66 milhões de toneladas embarcadas.


A demanda mundial aquecida, sobretudo do mercado chinês, tem dado suporte às cotações no mercado interno, mesmo com a boa produção.


A exportação recorde reduziu o estoque de passagem, o que poderá influenciar na cotação, no início de 2018, antes da colheita.


A demanda mundial firme tem sido o fator positivo para o mercado da soja.


Câmbio


A relação entre a cotação no mercado brasileiro e o dólar é estreita (alta correlação). Veja a figura 1.


Figura 1.
Preço da soja grão em Paranaguá-PR (R$/saca, eixo da esquerda) e do dólar em relação ao real (R$/US$, eixo da direita).
Fonte: Banco Central e Scot Consultoria – Compilado pela Scot Consultoria


A alta do dólar em novembro, tracionou a cotação em moeda nacional, porém quando o câmbio caiu, a cotação da soja caiu junto.


Segundo o Boletim Focus do Banco Central (24/11), a expectativa é de que no fechamento de 2017 o dólar esteja em R$3,20, e para o fechamento de 2018 em R$3,27. Mas, é importante destacar que qualquer questão política ou policial, como vimos em 2017, poderá mudar esta previsão.


Considerações finais


Com o clima deixando de ser um fator de preocupação, o câmbio deverá ser o principal fator de balizamento dos preços no mercado interno em curto e médio prazos, ou seja, até a colheita, em janeiro/fevereiro de 2018.


https://www.scotconsultoria.com.br/bancoImagensUP/171128-news-artigo-1.jpg

<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss

>

Newsletter diárias

Receba nossos relatórios diários e gratuitos

TV Scot

Rádio Scot



Loja

Facebook



  • Copyright 2017, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 – Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111

Receba nossos relatórios diários e gratuitos