• Segunda-feira, 11 de novembro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Como manter o rebanho sadio na seca


Sexta-feira, 1 de abril de 2016 - 05h40


O fim do período das águas traz aos pecuaristas preocupações em relação ao ganho de peso dos animais e perda de qualidade das pastagens. A produtividade cai, mas as doenças mais comuns na época de chuva, como diarreias e infestações de mosca-dos-chifres e carrapatos, por exemplo, também diminuem. Porém, outros problemas podem surgir, exigindo grande cuidado dos criadores.


De acordo com a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sudeste, Márcia de Sena Oliveira, o clima frio e seco, principalmente na região Sudeste, torna essencial o acompanhamento nutricional do rebanho. “Com a redução das pastagens em função da falta de chuvas é necessário que o pecuarista faça a suplementação nutricional para suprir as necessidades mínimas para a perfeita saúde do rebanho. Animais mal alimentados podem perder peso, diminuir sua produção de leite e ficar mais suscetíveis às doenças infecciosas e parasitárias, mais comuns no período das águas”.


A pesquisadora pontua que a suplementação nutricional pode ser feita com sal proteinado, silagens, fenos de gramíneas e leguminosas, farelos e subprodutos indicados para esse fim.


Na temporada outono-inverno, as ocorrências mais constantes são as doenças respiratórias, que, segundo a pesquisadora, são de fácil identificação e devem ser tratas com auxílio de um profissional especializado. “Essas doenças têm sintomas clínicos característicos, como o aumento da produção de muco nas narinas, tosse, aumento da frequência respiratória, aumento da temperatura retal, pelos arrepiados, entre outros. Nesses casos um veterinário deve ser consultado para indicar o tratamento ideal para os animais e ajudar na estratégia de prevenção de casos futuros”.


Outra alerta é para o consumo de plantas tóxicas. Como a propriedade está com baixa disponibilidade de capim, os animais tendem a procurar outras formas de se alimentar e acabam ingerindo vegetais venenosos.


A pesquisadora também ressalta que é essencial que os pecuaristas mantenham em dia a vacinação contra as doenças de maior ocorrência na região, principalmente as do calendário oficial, como febre aftosa e brucelose


Bezerros 


A categoria que mais exige atenção dos produtores na temporada de seca são os bezerros, devido à sua fragilidade nos primeiros meses de vida. O cuidado com os recém-nascidos se inicia ainda no período de gestação das matrizes, que devem ser vacinadas no periparto para que consigam fornecer aos bezerros o colostro – primeira secreção produzida pela glândula mamária após o parto - com todos os anticorpos contra as doenças que atacam os recém-nascidos.


Outro aspecto relacionado ao cuidado de bezerros é o manejo. “Esses animais devem ser mantidos em piquetes mais altos, secos e protegidos das correntes de ar. É fundamental que eles sejam bem alimentados e, logo que possível, colocados para ingerir forrageiras que estimulem a ruminação”, conclui Márcia Oliveira.


Fonte: DBO. Por Alisson Freitas. 30 de março de 2016.





O Encontro de Analistas da Scot Consultoria contemplará grandes especialistas do mercado que irão abordar fatos e expectativas que movimentam a economia e a pecuária nacional. Acesse encontrodeanalistas.com.br e garanta sua vaga. Dia 29/11 em São Paulo.


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



Loja

Facebook