• Sábado, 13 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Produção de alimentação animal deve crescer 3,2% em 2015


Quinta-feira, 17 de setembro de 2015 - 05h53

De acordo com dados do Sindirações - Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal -, a estimativa é de que até o final de 2015 o setor de alimentação animal do Brasil tenha produzido cerca de 67,1 milhões de toneladas, um incremento de 3,2% em relação ao ano anterior. No primeiro semestre de 2015, foram produzidas no Brasil 32,2 milhões de toneladas de ração, um crescimento de 2,2% em relação ao mesmo período de 2014.


"Os desequilíbrios resultantes da onda de expansão dos gastos públicos continuam retroalimentando a espiral inflacionária e minando cada vez mais a confiança dos brasileiros, desde os consumidores que gastam menos, até os empresários que cortam investimentos. Felizmente, em sentido contrário, a atividade pecuária (carnes, ovos e leite) continua resistindo à crise, uma vez que até maio expandiu 0,41%, apesar do retrocesso de 0,48% da agricultura, conforme estudo do CEPEA/ESALQ/USP", considera Ariovaldo Zani, vice-presidente executivo do Sindirações.


No balanço do sindicato, referente ao primeiro semestre do ano, o destaque foi a produção de rações para o segmento de aves, que demandou 18,7 milhões de toneladas da produção de alimentação animal. Deste total, 16,1 milhões de toneladas relacionam-se ao frango de corte - um crescimento de 5,4% em relação ao mesmo período de 2014. O saldo restante, ou seja, 2,6 milhões de toneladas, referem-se às poedeiras.


"Os embarques de carne de frango do Brasil têm sido impulsionados pelos embargos dos tradicionais clientes dos Estados Unidos, onde vinte e um estados sofrem com a influenza aviária que já abateu mais de 48 milhões de aves, e pela abertura de novas oportunidades e ampliação no comércio com a Rússia, Arábia Saudita, Emirados Árabes, União Europeia, China, África do Sul, Coréia do Sul, Egito, México, entre outros países. Até julho, as exportações brasileiras de frango in natura, cortes e derivados, avançaram 4,5%, alcançando quase 2,5 milhões de toneladas e receita em reais de R$12,7 bilhões. Um crescimento de 22,1%", ressalta Zani.


Rações para frango de corte


De janeiro a junho de 2015, o produtor de frangos de corte demandou 16,1 milhões de toneladas de rações, um avanço de 5,4%, enquanto o alojamento de pintinhos cresceu 4,7% e a exportação de carne de frango apresentou incremento de quase 3,0%, quando comparados ao contabilizado no primeiro semestre do ano passado. A capacidade de compra do consumidor doméstico tem diminuído por causa da deterioração econômica, motivo pelo qual a carne de frango tem substituído crescentemente a carne bovina. Já a desvalorização do real frente ao dólar e os episódios de gripe aviária em países exportadores circunstancialmente continuam favorecendo os embarques ao exterior.


Fonte: Sindirações. 16 de setembro de 2015.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook