• Sábado, 2 de julho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Atacado e varejo


Sexta-feira, 27 de novembro de 2009 - 11h03

O mercado atacadista de produtos lácteos trabalhou em queda pelo quinto mês consecutivo. Considerando somente novembro, a desvalorização média foi de 1,4%. Os leites fluidos caíram, em média, 4,3%. Foram os produtos que mais caíram. No mercado atacadista, o leite longa vida (UHT) está cotado em R$1,29/litro (preço médio), uma queda de 6,5% em relação ao mês anterior. O UHT, que em junho, atingira os maiores preços da história, acumula queda de 45%. O atual preço é o menor registrado desde dezembro de 2007. As quedas refletem o baixo consumo de lácteos e o aumento da oferta (com a captação em alta os laticínios aumentam a industrialização). No Centro-Sul, em geral, o pico de captação ocorre entre novembro e dezembro. A menor demanda pelo longa vida tem levado algumas empresas a aumentar a fabricação de leite em pó. Isso ocorre, pois o produto possui um maior tempo de prateleira, além de ser o principal lácteo exportado pelo Brasil, o que garante uma alternativa para escoamento da produção. No varejo, considerando a média de preços de todos os produtos lácteos pesquisados, houve desvalorização de 4,2% frente a outubro. Os preços de alguns tipos de queijos como o parmesão e o minas frescal sofreram forte queda em novembro. Com a elevação da temperatura, a demanda por queijos, tende a diminuir. Em relação ao longa vida, principal lácteo comercializado no mercado interno, os preços para o consumidor caíram 7% em novembro. O preço médio atual, R$1,59/litro, é o menor do ano. Vale destacar que é possível encontrar o produto por até R$1,15/litro. Com as férias escolares, o consumo de lácteos tende a diminuir, e novos reajustes podem ocorrer no curto prazo.
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook