• Terça-feira, 16 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

JBS Couros anuncia demissões no Brasil


Segunda-feira, 25 de julho de 2011 - 11h13

Corte atinge 850 funcionários de unidades em São Paulo e Mato Grosso do Sul Mônica Costa A JBS S.A., maior empresa de curtumes do Brasil, com 10 unidades industriais no País, anunciou cortes nas unidades de São Paulo e de Mato Grosso do Sul. A companhia alega questões mercadológicas. Em Aguaí, SP, a JBS Couros, que é a maior empresa do município, anunciou a suspensão das atividades na sexta feira, 15. O curtume funciona há 70 anos na cidade e foi vendido para a JBS Friboi, em 2010. Até o dia 8 de agosto, 400 funcionários da unidade cumprirão aviso prévio. O presidente do sindicato coureiro de Aguaí, João Batista Campos Ferreira, disse que não participou de nenhuma reunião com a empresa e que ficou sabendo das demissões pelos funcionários. Ele está orientando os trabalhadores sobre os direitos assegurados pela legislação. O grupo JBS afirmou que para minimizar os efeitos sociais da medida, alguns funcionários foram convidados para assumir novas posições em outras unidades da empresa. Em Campo Grande, MS, as demissões tiveram início na quarta feira, 20. De acordo com Luciano Amorim, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Curtumeiros do Mato Grosso do Sul, até agora, 290 empregados já receberam a carta de demissão. Mas a companhia informa que serão dispensados 450 funcionários. “A direção da empresa alega que caiu a produção de couros, por isso precisou demitir” afirma o sindicalista. “A JBS tem outros dois frigoríficos em Campo Grande, e muitos funcionários estão sendo convidados a trabalhar nestas plantas”, concluiu Amorim. A companhia confirma que está realocando parte dos funcionários. “A JBS construiu uma nova fabrica em Campo Grande para produção de supergelados, 200 pessoas já foram contratadas” diz a empresa, por meio de comunicado. Para tranquilizar o mercado, o grupo assegura que os clientes da JBS Couros continuarão sendo plenamente atendidos através de outras unidades produtivas que a companhia possui no Brasil, sem que haja problemas no abastecimento no mercado interno, tampouco no mercado externo. Mercado do couro desacelera A medida adotada pela JBS Couros pode ser um reflexo do mercado de couro verde no Brasil. Segundo a Scot Consultoria, o ritmo lento nos abates comprometeu a disponibilidade de matéria prima. Além disso, há uma redução natural na demanda por couros no segundo semestre. Neste ano, há expectativa de uma queda mais expressiva na demanda por causa da situação financeira dos Estados Unidos e de paises da União Europeia. “Os Estados Unidos são fortes clientes do couro acabado produzido no Brasil. Já a Itália é a principal compradora do couro wet blue” afirma Hyberville Neto, analista da Scot Consultoria. A retomada das compras pela União Europeia está prevista para agosto, quando terminam as férias nos países do bloco. Se houver uma retração na demanda, como teme o mercado, Hog Kong e China, que são os outros potenciais compradores do couro tipo wet blue, podem pressionar por preços mais baixos. No primeiro semestre deste ano, o setor de curtume registrou faturamento de US$1,5 bi com as exportações, receita 20,15% maior que o resultado obtido no mesmo período de 2010. Já em volume, o aumento foi de apenas 0,5%, saindo de 193,3 mil toneladas entre janeiro e junho do ano passado para 194,2 mil toneladas neste semestre. “O aumento no valor do produto exportado ficou ainda abaixo do preço pago pela matéria prima, que teve um reajuste de 38%, enquanto o preço médio subiu 19,5%” conclui o analista. Fonte: DBO. 22 de julho de 2011.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook