• Sexta-feira, 1 de julho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Algodão puxa a expansão da safra brasileira de grãos


Quinta-feira, 9 de dezembro de 2010 - 09h48

A safra de grão de 2010/2011 no Brasil deve atingir a marca de 149,09 milhões de toneladas, que fica praticamente em linha com a produção de 2009/2010, 149,20 milhões. O destaque desta safra fica com a produção do algodão, que deve superar em 54% a produção de 2009. Entretanto o milho pode amargar uma redução de produtividade superior a 8%. Os dados foram elaborados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para Carlos Bestetti, gerente de Levantamento e Avaliação de Safras da Conab, a melhora do clima em algumas regiões favoreceu o desenvolvimento de algumas culturas como o algodão que, segundo ele, pode fechar o período com um crescimento ainda maior este ano. A área de algodão deve fechar 45% maior nesta safra, de acordo com o terceiro levantamento da Conab, ou seja, 378,8 mil hectares. Já a produção da pluma de algodão está projetada para 1.835 mil toneladas, contra 1.194 mil toneladas de 2009. “Essa área de algodão e a produção ainda podem aumentar mais, isso vai depender de como se comportará o clima para o algodão safrinha. Se tudo correr bem esses números podem superar até as expectativas”, garantiu Bestetti. Ele destacou o expressivo crescimento de área de algodão na Região Centro-Sul, com os Estados de Mato Grosso, com um aumento de 43,6%, Goiás, com crescimento de 34%, e Minas Gerais que fechou com mais de 70% de ampliação de área. “São crescimentos muito expressivos, mostrando que o produtor está atento ao mercado”, disse. Apesar dos bons preços praticados na venda de milho nos últimos meses deste ano, o setor terá uma redução de área de aproximadamente 3,5% e na produção de mais de 8%. Bestetti contou, que a estimativa para o milho primeira e segunda safras é mais complicada, já que a primeira safra já é possível estimar, mas a “safrinha” ainda depende da colheita da soja. “Se o clima não ajudar e o produtor de soja adiar a colheita, a safra de milho pode ficar ainda mais comprometida. Mas acredito que tudo ficará no prazo, e se bobear o milho se recupera.” A área cultivada com milho primeira safra 2010/2011 deve ficar em 7.440,2 mil hectares, uma variação percentual de 3,7% menor que a área cultivada na safra anterior. A expectativa para a área total (primeira e segunda safra), cultivada com milho em todo o Brasil deve oscilar em torno de 12.683,1 mil hectares, com redução próxima de 2,2% ante 2009. Já a produção deve recuar de 34,08 milhões de toneladas da safra passada, para 31,35 milhões de toneladas nessa safra 2010/2011. Para o analista Rafael Ribeiro, da Scot Consultoria, a tendência para o milho é de uma valorização de até 5% em 2011, calculada pelo término deste ano que tem estoques menores, além da aquecida e crescente demanda mundial pelo produto. “A partir de janeiro, após a colheita, teremos um ano com estoque razoável de milho, menor do que começamos este ano, e isso deve pesar nos preços. No segundo semestre, pode ser que o preço da saca fique 5% mais caro, caso a safrinha realmente tenha uma redução”, contou. A safra de soja, com participação de cerca de 46% no total nacional, deve alcançar 68,51 milhões de toneladas, em uma área de 24,08 milhões de hectares. O aumento sobre a área da safra anterior é de 2,6%. IBGE O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) prevê que a safra de grãos em 2011 ficará em torno de 145,1 milhões de toneladas, que representa uma queda de 2,5% em comparação a 2010, devido, principalmente, às menores previsões da Região Sudeste, com queda de 1,6%, e Sul, que terá uma redução de 9%. O IBGE não baseia seus cálculos no ano safra, comumente usado por profissionais do setor. Ele calcula a produção e plantio nos doze meses do ano não criando a referencia entre plantio e colheita. A área colhida em 2010 deve ficar, segundo o IBGE, 1,5% menor ante 2009, fechando com 46,5 milhões de hectares. As três principais culturas (arroz, milho e soja) somadas representam 91% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, e respondem por 83,5% da área a ser colhida, destacando a soja como a única a aumentar a área em 7,1% a mais que 2009. Fonte: DCI. Agronegócios. Por Daniel Popov. 9 de dezembro de 2010.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook