• Quarta-feira, 10 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carne bovina: expectativa de demanda no Brasil


Sábado, 18 de outubro de 2008 - 17h01

“É fato que a crise econômica deve afetar negativamente a evolução do consumo. O FMI (Fundo Monetário Internacional), por exemplo, estima que a economia mundial irá crescer 3% em 2009, queda de 0,9 ponto porcentual em relação à última projeção, realizada em julho. Se a geração de riqueza crescer menos, a demanda também deverá evoluir de forma mais comedida. O raciocínio é simples assim”, comentam os analistas da Scot Consultoria. “Mas vejam, estamos falando em crescimento. Num ritmo mais moderado em relação aos últimos dois ou três anos, é verdade, mas ainda assim crescimento”, alertam. “De toda forma, essa conjuntura menos favorável ao comércio deve levar os compradores a adotar uma postura mais cautelosa, e isso significa renegociação de preços. Alguns exportadores de carne bovina apontam que já estão enfrentando essa peleja. E a essa questão somam-se os problemas de escassez e encarecimento do crédito”, opinam os especialistas. “Foi justamente a partir dos últimos meses, quando a crise começou a se intensificar, que as exportações brasileiras de carne bovina voltaram a quebrar recordes em volume. Em faturamento, então, há muito tempo não deixam de fazê-lo”, comentam. E por que isso? Primeiro, porque o Brasil já está exportando abaixo do seu potencial, em função da retração da produção, de um câmbio que vinha se comportando de forma desfavorável e dos resultados mais satisfatórios obtidos com as vendas domésticas. Não tem nada a ver com a crise iniciada nos EUA. Isso significa que se quisessem/pudessem exportar mais, se achassem viável (questão de preço x custo), nossas indústrias teriam espaço para tanto, explicam os analistas. Falta carne no mercado internacional. A Europa está com a produção em queda e, ao mesmo tempo, dificultando a entrada de carne de seu principal fornecedor extra-bloco (o Brasil). A Austrália também está produzindo menos, em função de problemas climáticos (seca) e do aumento dos custos. “A questão dos custos afeta, da mesma forma, a produção norte-americana. A Argentina pratica auto-embargo. Nós aqui atravessamos um período de forte ajuste produtivo. E assim vai”, lembram. Em síntese, os principais participantes (players) do mercado estão com problemas de produção e/ou de venda. Portanto, mesmo que o consumo mundial passe a crescer num ritmo mais lento, ainda haverá espaço para aumento das vendas. E diante da atual conjuntura, ganha o fornecedor que demonstrar um bom equilíbrio em preço, qualidade e volume. “Nesse caso o Brasil está bem posicionado. Vejamos o volume. Mesmo com a retração da produção, a diferença entre o que o Brasil pode exportar, e o que a Austrália (segundo maior exportador mundial) pode, equivale aproximadamente às vendas externas da Índia, o terceiro no ranking de exportadores de carne bovina”, alertam. “Em qualidade, tanto de processos como de produto, também ouso dizer que, longe de sermos líderes (pois há muito que melhorar), também não fazemos feio. O Brasil possui a maior zona livre de febre aftosa do planeta, tem investido pesado em tecnologia e bem estar animal (que levam à melhoria da qualidade de processos e de produto) e possui um rebanho relativamente homogêneo, em função da representatividade do Nelore, o que facilita a padronização das cargas”, destacam. Quanto ao preço, nosso país sempre esteve entre os mais competitivos. Essa valorização recente do dólar serviu para corrigir o “encarecimento injusto” da nossa arroba, e assim devolver parte da competitividade perdida ao longo do último ano, uma vez que, em moeda nacional, as cotações seguem abaixo dos níveis das últimas décadas. “Dificilmente, sem contar com o viés especulativo, o câmbio permanecerá acima do patamar de R$2,10 por US$1,00. Mas entre R$1,80 e R$2,00 por US$1,00 já seria suficiente para manter as cotações brasileiras bastante próximas a de concorrentes como Uruguai e Paraguai, distantes de EUA e Europa”, destacam. “É preciso considerar também, no caso das exportações, a expectativa de retomada de um mercado importante, o Chile, fechado desde o final de 2005, após a descoberta de focos de aftosa no Mato Grosso do Sul”, lembram os analistas. De acordo com a Scot Consultoria, independentemente do que venha a acontecer no mercado externo, o mercado doméstico ainda absorve cerca de 75% da produção nacional de carne bovina. “E o Brasil é justamente um dos países mais bem posicionados frente à crise internacional, ou seja, está entre aqueles cujo crescimento deverá ser “pouco” (isso é relativo, mas vá lá) afetado”, opinam. “Pensando mais no curto prazo, ainda de olho no mercado interno, continua havendo melhoria de renda e aumento de emprego, processo que deve se intensificar agora, em função dos festejos e do típico aquecimento do comércio em fim de ano. Além do mais, o arrefecimento recente da inflação fez com que o poder de compra do brasileiro voltasse a aumentar, sendo que a população ainda mostra forte intenção de compra, de acordo com pesquisa do Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração (Provar-FIA)”, comentam. A conjuntura atual, portanto, ainda é considerada favorável ao aumento de preços (leia também “Boi gordo: final de ano de pouca oferta”). Tanto é que, nos últimos dias, a cotação do traseiro bovino no atacado alcançou R$6,90/kg, recorde histórico. O boi gordo, em São Paulo, voltou a R$93,00/@. “É verdade que nesse início de segunda quinzena de mês (quando o consumo de carne normalmente cai), contando com boi a termo e confinamentos próprios, alguns grandes frigoríficos voltaram a pressionar negativamente o mercado”, alertam. “Esses movimentos pontuais são normais, mas não alteram a expectativa de médio prazo, fundamentada na relação oferta x demanda. E ela tende a continuar soprando a favor da firmeza do mercado do boi gordo em 2009, ainda que o espaço para aumento de preços seja significativamente menor do que o observado nos últimos dois anos”, finalizam. Fonte: Capital News. Agronegócios. 18 de outubro de 2008.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook