• Sexta-feira, 15 de novembro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Lucas Ferriani – ACNB (Associação de Criadores de Nelore do Brasil)


Quinta-feira, 1 de janeiro de 2009 - 10h55

Lucas Ferriani é zootecnista pela FCAV / UNESP - Jaboticabal (1997-2002), mestre em Melhoramento Genético Animal pela FCAV / UNESP – Jaboticabal (2004-2006), especialista em Gestão do Agronegócio pelo PENSA / USP (2002). Foi técnico de campo do Programa de Melhoramento Genético da ANCP (Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores) entre 2002 e 2004. Desde 2006 é gerente técnico-administrativo da ACNB (Associação dos Criadores de Nelore do Brasil), coordenador da Universidade do Boi e da Carne, do Programa de Qualidade Nelore Natural, do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças e do Circuito Boi Verde Genética. Scot Consultoria: A pecuária brasileira se apóia, de um lado, na braquiária. De outro, no Nelore. Qual é a representatividade da raça em termos de rebanho e de abate de bovinos no Brasil? Essas estimativas existem? Lucas Ferriani: É possível estimar. Cerca de 80% dos criadores e invernistas brasileiros possuem pastos repletos de animais da raça nelore e/ou anelorados. Cenário semelhante se observa no dia-a-dia dos frigoríficos, sempre que se visita alguma indústria no Brasil. Exceto na região Sul. Scot Consultoria: Muito se fala que uma das desvantagens da carne de Nelore é que ela “não tem (ou tem pouco) marmoreio”. Na sua opinião, isso é mesmo um problema? Lucas Ferriani: Não vejo isso como um problema; aliás, esse pode ser um diferencial. Se analisarmos o principal “concorrente” da carne vermelha, o frango, vemos que além dele ter um custo inferior (e isso também é questão do que estamos comparando e do rendimento), o mesmo conta com o apelo de ser considerado fonte de proteína saudável. Se estamos perdendo mercado para um concorrente que tem, como diferencial, uma qualidade que a carne magra do nelore possui, porque não utilizamos a mesma receita para conquistar novos mercados? O conjunto Nelore - Braquiária é um sistema de pecuária que assusta o mundo, e tenho certeza que se soubéssemos vender bem o fruto desse sistema, a carne de qualidade não seria aquela que tem marmoreio, e que por isso é “mais difícil de errar em seu preparo”. E sim aquela carne vermelha que, além de saborosa, você pode escolher comer com ou sem gordura. Noriaki Kano define qualidade como “produtos e serviços que atendem ou excedem as expectativas do consumidor”. Na verdade esse conceito que carne de qualidade tem que ter marmoreio é simplesmente uma definição imposta por alguns mercados, os quais defendem seus interesses e seus sistemas de criação. Pode ter certeza que se eles tivessem a braquiária e o nelore, essa seria para eles a melhor carne do mundo. Outro ponto merece destaque, e aí já estou extrapolando a questão de qualidade de carne. Se temos tantos técnicos e pesquisadores qualificados em nosso setor, por que temos que ficar importando tecnologias e padrões de mercado de países concorrentes? Devemos dar valor às técnicas desenvolvidas pelos pesquisadores nacionais. Depois, na condição de principal player do mercado mundial de carne bovina, impô-las ao mercado internacional, tal como a AUSMEAT e o USDA, por exemplo, têm feito. Como exemplo podemos citar técnicas de bem-estar animal e de qualidade de carne, setores esses em que temos pesquisadores de renome internacional. Voltando à questão da carne, o consumidor realmente quer um produto mais saboroso e suculento, mas ele não precisa ter gordura entremeada para isso. Esse conceito foi imposto por um nicho de mercado. Inclusive, em diversas visitas a vários grupos frigoríficos brasileiros, distribuídos por todo o Brasil, nunca presenciei técnico nenhum fazendo análises de marmoreio para poder comercializar carne. A própria Cota Hilton, tão requisitada pelos brasileiros, não preconiza nada de marmoreio, então por que estamos colocando esse assunto em pauta? Ainda cabe destacar que a grande variabilidade e a extensa população de nelore do Brasil permitem que sejam realizadas seleções para atender os mercados mais exigentes em termos de qualidade de carne. A comprovação desse fato vemos todos os dias com a carne Nelore Natural, mediante animais que foram selecionados para precocidade. Scot Consultoria: Comecemos a tratar agora dos programas desenvolvidos pela ACNB – Associação de Criadores de Nelore do Brasil. Quais os mais recentes e como estão evoluindo? Lucas Ferriani: Dentre os novos programas, cabe destacar a Universidade do Boi e da Carne, que tem como principal missão suprir a lacuna existente entre os institutos de pesquisa/ universidades e o mercado, através da criação de um centro de estudos avançados em assuntos ligados à cadeia produtiva da carne bovina, incluindo suas oportunidades mercadológicas e comerciais, atuando em diferentes elos e níveis dessa cadeia. Projeto esse que já completou dois anos de existência, com mais de 200 profissionais treinados e capacitados em diferentes áreas do setor pecuário, através dos cursos de Formação de Jurados de Carcaças e Especialização em Manejos de Animais de Elite. Outro programa de destaque em 2008 foi o início do Circuito Boi Verde Genética, o qual visa avaliar a capacidade dos reprodutores nelore em produzir progênies com características de carcaça que atendam às demandas dos mercados exigentes em qualidade de produto. Como estratégia, estamos agregando aos Programas de Melhoramento Genético existentes no País as informações coletadas nas carcaças quentes de animais filhos de touros conhecidos, abatidos nas etapas do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças, nas unidades habilitadas pelo Programa de Qualidade Nelore Natural e/ou em Grupos Frigoríficos parceiros desta iniciativa. Scot Consultoria: E os programas antigos, como o Nelore Natural, quais os resultados mensuráveis e quais as expectativas para 2009? Lucas Ferriani: O programa de qualidade Nelore Natural completou 7 anos de existência em 2008, com um sucesso de mais de 5 milhões de cabeças abatidas e mais de 100 mil toneladas de carne comercializadas. Tendo um ano de ascendência em 2008, com a entrada de um novo frigorífico parceiro, temos expectativas de que em 2009 os três grupos frigoríficos parceiros (Independência S.A, Marfrig Group e Estrela Alimentos) aumentem o número de plantas participantes. Ainda estudamos novas parcerias com outros grupos de destaque no Brasil. Scot Consultoria: Alguma novidade da ACNB, que você queira destacar, para o ano que vem? Lucas Ferriani: Para 2009 estaremos promovendo provas de composição de peso, em diversas regiões do País. Serão provas que têm como objetivo avaliar a proporção de osso, músculo e gordura na progênie de filhos de touros nelore conhecidos, através de avaliação visual e desempenho no frigorífico, sendo toda a prova realizada no sistema de pastagem. Iniciativa essa que vem contribuir com todo o cenário que a ACNB vem desenhando nos últimos anos, somando aos outros programas da associação, tais como o Circuito Boi Verde Genética e o próprio Nelore Natural. Scot Consultoria: Em uma de suas apresentações você abordou a criação do “Sistema de Produção Integrada Nelore”. O que seria esse sistema? Como ele funcionaria? Lucas Ferriani: A associação sempre vislumbrou trabalhar com uma cadeia integrada, exemplo disso é o Programa de Qualidade Nelore Natural, que está alicerçado em 4 Módulos. No entanto, estrategicamente, só vem funcionando o módulo carne, deixando para ativar os demais (rastreabilidade do sistema de cria, engorda e reprodutores) de acordo com as demandas de mercado. Hoje com a atuação da associação nos diversos elos da cadeia produtiva, formação de mão-de-obra, genética, produção, indústria e consumidor final, pleiteamos construir uma cadeia produtiva consistente e que atenda todas as exigências dos mercados internacionais. Esse processo está sendo chamando de Produção Integrada do Nelore, que nada mais é que a ativação dos demais módulos do PQNN. Como isso funcionaria? Hoje, através da formação de mão-de-obra, conseguimos qualificar e padronizar conhecimentos e conceitos em todo o País. Através do Circuito Boi Verde Genética conseguimos, além de identificar os touros melhoradores para características de carcaças, ter o histórico completo de vida dos animais que vão para o abate. O mesmo que acontece com os animais provenientes da prova de composição de peso. Através do Circuito Boi Verde conseguimos identificar regiões que possuem capacidade de atender as demandas de mercado. Com o Programa de Qualidade Nelore Natural conseguiremos fornecer ao mercado consumidor uma carne que tenha uma história, conseqüentemente uma segurança alimentar incontestável e, por fim, trabalhando diretamente com o consumidor, conseguimos ensiná-lo a preparar e a consumir cada corte da melhor maneira possível. Esses cursos já acontecem semanalmente em diversos pontos de venda da carne Nelore Natural. Em suma, quando o nível de exigência do mercado chegar a solicitar um sistema desse tipo, a associação estará pronta para unir todos os elos da cadeia e oferecê-lo. Scot Consultoria: Por fim, quais são as perspectivas da ACNB para a pecuária brasileira em 2009? A crise econômica assusta? Lucas Ferriani: A posição da associação é enfrentá-la de frente e com muito trabalho. Pretendemos, inclusive, dentro do possível, investir em pesquisa e em novos projetos, pois acreditamos que é assim que devemos enfrentar crises. Ao final, com certeza estaremos mais fortalecidos. Tenho certeza que 2009 será de muito trabalho e conquistas para a raça Nelore.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111