• Segunda-feira, 6 de dezembro de 2021
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Insumos - Alta nos preços dos fertilizantes


Sexta-feira, 29 de outubro de 2021 - 12h30

Foto: Shutterstock


Introdução

A produção de grãos para a safra 2020/21 foi de aproximadamente 252,7 milhões de toneladas. Levando em consideração o período entre as safras 2000/01 e 2020/21, a produção aumentou 151,6%, enquanto a área aumentou 82,1% (Conab).


A alta de preços das commodities agrícolas, entre elas, milho e soja, e os resultados econômicos positivos na temporada 2020/21, contribuíram para o aumento da área semeada.


Esse crescimento de produção e de produtividade está relacionado ao uso de tecnologia, tais como o uso de fertilizantes.


Preços  

Os fertilizantes estavam com preços menos voláteis em 2019 e 2020. Contudo, em 2021, as cotações subiram fortemente.


Um fator que alavancou os preços foi a desvalorização do real frente ao dólar, pois o Brasil é grande importador de adubo. Em 2021, foram entregues 23,89 milhões de toneladas de fertilizantes, sendo mais de 20 milhões importadas (ANDA).


Em 2021, as cotações da ureia, super simples, MAP, cloreto de potássio e 20-00-20, subiram, respectivamente, 91,2%, 93,5%, 119,7%, 160,4% e 89,0% (figura 1).

Os países produtores de fertilizantes (China, Rússia, Canadá e Marrocos) reduziram a fabricação e consequentemente a oferta de adubos.


A produção brasileira também caiu. A produção de 3,74 milhões de toneladas até junho, equivale a uma queda de 5% com relação ao mesmo período de 2020 (ANDA).


Com o crescimento da área semeada nos principais países produtores de grãos, a demanda internacional aumentou.


Figura 1. Preços médios mensais de fertilizantes, em R$/tonelada.



Fonte: Scot Consultoria


Relação de troca

O período com a melhor relação de troca entre os grãos e os adubos foi no último bimestre de 2020 e janeiro de 2021, puxada principalmente pelas altas nos preços dos grãos.


Veja as relações de troca de sacas de milho (figura 2) e de soja (figura 3) por tonelada de fertilizante.


Figura 2. Relação de troca de sacas (60 kg) de milho* por tonelada de fertilizante.



*Referência Campinas/SP.
Fonte: Scot Consultoria


Figura 3. Relação de troca de sacas (60 kg) de soja* por tonelada de fertilizante.



*Referência Paranaguá/PR.
Fonte: Scot Consultoria


Os agricultores que travaram preços em janeiro para a compra de insumos tinham, em média, 95,4% mais poder de compra quando comparado à saca de milho e 104,4% em relação a saca de soja, comparado a outubro. 


Desse modo, apesar da alta das cotações dos fertilizantes, as relações de troca com o milho e a soja, em outubro/21, estão em níveis próximos a relação de troca de janeiro de 2019 (figura 4).


Figura 4. Relação de troca de sacas (60 kg) de soja e milho em janeiro de 2019 e outubro de 2021.



Fonte: Scot Consultoria


Considerações finais

As cotações de fertilizantes têm passado por aumentos expressivos em 2021.


Contudo, os preços em patamares mais elevados do milho e soja fizeram com que as relações de troca com fertilizantes no cenário vigente ficassem próximas às referencias  de janeiro de 2019.


Com o cenário de desabastecimento mundial associada à maior demanda nacional e internacional por fertilizantes, a expectativa é de preços firmes.


A negociação antecipada através de contratos e travamento dos preços para os grãos e fertilizantes é uma estratégia para o cenário de alta de preços de insumos.


Confira na tabela 1 os preços dos fertilizantes e a variação no comparativo dos meses de janeiro, junho e outubro.


Tabela 1. Preços e variações dos fertilizantes em 2021.



Fonte: Scot Consultoria



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook