• Sábado, 24 de agosto de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Gestor - Deixe de ser craque entre os ruins! Compare-se para uma evolução focada do projeto


Terça-feira, 4 de junho de 2019 - 16h00


Está a “meio caminho andado” quem têm um norte para seguir. Limitar-se à chamada “lama do operacional” e aos números internos da fazenda, infelizmente, retarda o processo gerencial e o ganho de resultado, como também, desliga a chave da inovação e motivação da equipe.


É preciso ultrapassar as fronteiras e não ter medo de enfrentar a possível comparação após olhar para o vizinho de cerca, para o criador de outro estado e até para outro tipo de negócio. A visão transversal é que faz com que o líder pense diferente, diariamente, seu próprio negócio.


“Quem compara, evolui”. Esse é um dos meus mantras que, a cada ano, tenho mais convicção de sua verdade, pois a comparação nos traz referência e motiva; elucida a diferença que nos faz evoluir e acaba nos impondo metas. Além disso, a comparação é algo inerente ao ser humano, em diferentes momentos da vida, para que possa se nortear e tirar as próprias conclusões.


Desde o nascimento de um ser humano, há questões que são de praxe: com quantos quilos nasceu? Qual a estatura? Como foi o parto? Intuitivamente, buscamos respostas para a nossa própria avaliação do fato, pois no senso comum, temos referência de quilos e tamanho de um bebê sadio. Se nasceu, em geral, de parto normal e com mais de três quilos está ótimo!!! Em seguida, no crescimento da criança, peso e altura são medidos mês a mês e comparados com curvas de referência universal que guiam os pediatras. Dos primeiros anos de aprendizagem até a formatura, são incontáveis as provas ou testes feitos. Ao receber o resultado, naturalmente, há uma comparação com os melhores e os piores da turma para nortear como está o desenvolvimento em meio ao grupo. E assim segue a vida. Comparando, comparando... mesmo após o último suspiro existem comparações. Do que morreu? Quantos anos tinha? E, dependendo da resposta, ela própria já é um fator de consolação e de conforto.


No ambiente empresarial, a comparação recebeu uma roupagem profissional e sistematizada a partir da instituição do benchmarking. Esse é um processo para busca das melhores práticas com intuito de conduzir a um desempenho superior. Uma das primeiras referências da ferramenta foi quando a Xerox comparou seus processos internos com o de um concorrente para entender como eles conseguiam vender produtos com menores preços. Em seguida, a partir dos anos 70, o benchmarking se popularizou como uma ferramenta de gestão para os mais diversos setores. E, é muito usado nos dias de hoje, fortalecido, ainda mais, por uma tendência de economia colaborativa, simplificada pela hashtag da moçada: #juntossomosmaisfortes.


Para avançar com essa ferramenta é preciso buscar estudos realmente confiáveis. Que deixem claros seus propósitos, fonte de dados, formatos de coleta, sistemática e que utilizem a estatística e as ferramentas de inteligência artificial, cada vez mais disponíveis. Fechar os olhos a essas informações é andar mais devagar e, talvez, por direção que não seja a mais rentável.


Diferentes finalidades


O benchmarking pode ser de vários tipos. O interno vale-se de dados da mesma empresa, a partir de unidades diferentes. Seria como comparar várias fazendas do mesmo grupo. Outro seria o benchmarking competitivo, no qual há comparação entre concorrentes e, por fim, há o de cooperação, quando as empresas se reúnem para gerar informação do setor, assim como fazemos no Benchmarking Inttegra de Métricas Pecuária.  Além disso, o estudo pode ter duas finalidades diferentes, ou seja, buscar informação sobre resultado (indicadores zootécnicos, dados financeiros etc.). Outro modelo é o benchmarking de processo que explicita os passos de cada operação.


É simplista quem acredita que o intuito está na imitação do processo de outra fazenda ou na busca insana pelo número absoluto. A partir da referência há a adequação para cada realidade. O benchmarking propõe conquistas que podem ser alcançadas, a partir do que foi obtido por uma fazenda real, porém, deve respeitar as particularidades internas. Além dos dados globais, em um segundo passo, pode-se ter acesso a benchmark de fazendas de mesma atividade para um refinamento da informação. Assim, fazendas de cria vão ter dados mais específicos de fazendas de cria; as de recria com as de recria e as de engorda para engorda. Seja em uma análise global ou mais refinada, o importante é realmente querer melhorar a partir da referência confiável. 


Faço o alerta que “respeitar a realidade interna” não deve ser uma muleta para quem não quer enxergar seus desafios. A verdade “nua e crua” é melhor do que qualquer desculpa. Digo isso, pois tinha um cliente que ao comparar sua fazenda com uma referência constatou, “Ah, mas ele faz melhoramento genético, integração e o líder até mora na fazenda. Não posso me comparar com ele, pois não uso essas ferramentas”. É preciso deixar de se enganar e deixar de querer ser o “craque entre os ruins”. Ter uma referência que trabalha tecnologias melhoradoras comprovadas é uma motivação para que, se demandado pelas metas, as técnicas sejam implantadas.


Olhar para fora, comparar-se e visitar uma fazenda de referência desperta a vontade de melhorar. Sempre há algo a ajustar ou uma forma de fazer melhor. É preciso ter humildade de reconhecer que há muita vida inteligente fora de nossas porteiras e podemos aprender e melhorar com a experiência do outro.  Sem dúvida, metade dos problemas estão resolvidos quando identificados e quando nos abrimos pela busca da solução.


Vantagem de fazer parte ativamente do processo:


- Ampliação da gestão do próprio negócio, pois na primeira etapa é preciso buscar e conhecer os próprios números. Em seguida, há um ranqueamento que nos classifica em um universo e nos dá referências para estabelecer metas.


- Traz muita motivação ao grupo, pois a equipe passa a querer melhorar os próprios números como também alcançar níveis melhores entre os iguais.


- Oportunidade de aprendizado com os demais. Há pessoas que colocaram ousadia e perspicácia e já testaram alguns processos e ao compartilhar essas informações permitem que os demais cortem caminho para melhor rentabilidade.


- Impulsiona, organizadamente, a redução de custo por arroba e o aumento do lucro, esse que é o principal objetivo do negócio pecuário.


Portanto, participar de um processo de benchmark permite um aprendizado e avanço a passos mais largos e direcionados pela informação privilegiada. Também contribui para o setor, pois é fonte de números confiáveis sobre o que é feito no País por um grupo de pecuaristas. Traz luz para cada unidade de produção e para a atividade em si.




O Encontro dos Encontros está chegando e acontece de 30/9 a 4/10 em Ribeirão Preto - SP. Todos os eventos – Encontro de Criadores, Adubação de Pastagens e Pecuária Leiteira – envolverão temas relevantes à pecuária sob a visão de grandes líderes do mercado. Para saber mais, acesse o site www.encontros.scotconsultoria.com.br ou ligue para (17) 3343-5111.


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111