• Segunda-feira, 14 de outubro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Conjuntura - Brasil embarcará volume histórico de carne bovina em 2018


Quarta-feira, 18 de abril de 2018 - 09h00

 


De acordo com as projeções do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos – USDA, o volume de carne bovina comercializado mundialmente atingiu 9,83 milhões de toneladas em 2017. A estimativa é de que esse volume cresça 19,3%, alcançando 11,74 milhões toneladas em 2026.


Os cinco maiores exportadores de carne bovina são, respectivamente, Brasil, Índia, Austrália, EUA e Nova Zelândia. Estes países foram responsáveis por 70,59% do comércio internacional em 2017.


Neste mesmo ano, a participação das carnes bovinas brasileiras no mercado internacional foi equivalente a 19,83%. Todavia, a competição com o mercado indiano está forte, o qual compõe 19,57% das exportações.


Contudo vale salientar que a Índia abastece mercados menos exigentes e exporta também grande quantidade de búfalos.


Ao observar a variação das exportações no comparativo 2014/2026, é possível projetar que o Brasil terá vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes (figura 1).


Figura 1. Variação do volume exportado de carne bovina no comparativo 2014/26 (%)



Fonte: Elaborado por Scot Consultoria (USDA/ERS)


Apesar dos abalos sofridos pela pecuária em 2017, o Brasil continuará sendo o principal exportador de carne bovina.


Diante deste cenário favorável, o Brasil deve analisar os mercados consumidores que atende, bem como o de seus concorrentes, para a consolidação do mercado e superação da concorrência (tabela 1). 


Tabela 1. Participação dos principais destinos no total exportado em 2016 (%)



Fonte: Elaborado por Scot Consultoria (UN Comtrade, 2018)


Através da análise da tabela 1, é possível perceber que a China e o Egito, juntos, representaram quase 50% dos destinos das exportações brasileiras.


Ao analisar dados de importação, nota-se que o Brasil domina estes mercados consumidores. Dentre o total de importações de carne bovina pela China, 14,76% são do Brasil, 13,40% do Uruguai, 9,55% da Austrália e 6,21% da Nova Zelândia.  Por outro lado, no Egito, o Brasil detém 58,69% das importações, seguido pela Índia com 37,39%.


Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC), o Brasil deverá embarcar em 2018 um volume 9,8% maior do que o registrado em 2017. A receita cambial avançará 10,5%, atingindo 6,9 bilhões de dólares (REUTERS, 2018).


Este cenário favorável se deve a diversos fatores, tais como a expectativa de retorno das importações de carne in natura pelos EUA, o possível aumento dos frigoríficos habilitados a exportar para a China e ao acordo de exportação Mercosul/União Europeia. Provável também em função dos possíveis novos parceiros comerciais, tais como Indonésia e Tailândia, e a possível retirada do embargo da Rússia (Portal DBO, 2018).


As principais plantas brasileiras esperam incrementar as exportações diante deste contexto positivo. Destaque para a JBS que prevê alta de 22% em seus negócios, valor que supera a expectativa da ABIEC para os embarques do Brasil (REUTERS, 2018).


Dentre os estados brasileiros, Mato Grosso e São Paulo são os de destaque em relação à exportação de carne bovina (figura 2).


Figura 2. Participação dos estados brasileiros na exportação de carne bovina (%)



Fonte: Elaborado por Scot Consultoria (Secex/MIDIC, 2018)


Vale ressaltar que, ainda que com boa participação no mercado internacional, o Brasil está em desvantagem no faturamento frente aos demais exportadores de carne bovina (figura 3).


Figura 3. Relação faturamento/volume das exportações de carne bovina em 2016 (US$/kg)



Fonte: Elaborado por Scot Consultoria (UN COMTRADE, 2018).


Considerações Finais


O Brasil possui amplas vantagens diante do cenário internacional, principalmente, em função da disponibilidade de recursos naturais.


Ainda assim, os pecuaristas e os frigoríficos brasileiros precisam investir e intensificar a produção para garantir a consolidação do país como líder no mercado.


Sendo assim, apostar no melhoramento genético, nutrição animal, manejo de pastagens e no processamento industrial, é um dos caminhos para a valorização do produto frente à concorrência.


Se concretizadas as previsões, o volume embarcado pelo Brasil será histórico, sendo o maior desde 2007, graças às negociações brasileiras com novos mercados consumidores logo no início do ano. 


  


Referências Bibliográficas


USDA. United States Department of Agriculture. Economic Research Service. Disponível em: <https://www.ers.usda.gov/data-products/international-baseline-data/international-baseline-data/#2017 International Long-Term Projections to 2026>. Acesso em: 06/02/2018.


ABIEC. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 06/02/2018.


REUTERS. Exportação de carne bovina do Brasil deve crescer 10% em 2018 em volume e receita. Disponível em: . Acesso em: 05/02/2018.


PORTAL DBO. China deve ampliar importações de carne do BR em 2018. Disponível em: . Acesso em: 06/02/2018.


REUTERS. JBS prevê alta de 22% em suas exportações de carne bovina in natura do Brasil em 2018. Disponível em: . Acesso em: 05/02/2018.


UN COMTRADE DATABASE. Data. Disponível em: . Acesso em: 05/02/2018.


ALICEWEB. Consultas. Disponível em: . Acesso em: 06/02/2018.


 



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55