• Terça-feira, 16 de julho de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Grãos - Soja: Começo de ano pressionado


Sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 - 16h28

O mercado de soja começou o ano em meio à pressão de baixa.


Além da menor movimentação, típica do período, o aumento da produção previsto para a América do Sul tirou a sustentação do mercado.


No relatório de janeiro de 2013, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estimou a produção argentina em 54,0 milhões de toneladas, frente a 40,1 milhões de toneladas produzidas em 2011/2012.


No Brasil, a produção está estimada em 82,7 milhões de toneladas de soja, 24,5% mais que o colhido na safra anterior. 


Os números são do quarto levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).


Diante deste cenário e do início da colheita das variedades precoces no país, os preços caíram. Veja a figura 1.



A queda foi de 12,9% no acumulado da primeira metade janeiro de 2013. Desde setembro de 2012, pico de preço, a queda é de 31,5%.


Mesmo diante de especulações com relação a possíveis revisões para baixo nas produtividades das lavouras, os preços não subiram.


Mercado Internacional


O mercado internacional está de olho nas safras brasileiras e argentinas, e também na China, maior importadora de soja do mundo.


O país asiático cancelou, recentemente, algumas compras dos Estados Unidos, fato que colaborou com a pressão de baixa na Bolsa de Chicago (CBOT).


O receio de que os preços da soja disparassem fez alguns importadores mundiais do grão, principalmente a China, anteciparem, em 2012, as compras.


Entretanto, com o preço da oleaginosa em queda desde meados do segundo semestre do ano passado, as compras feitas pelos chineses diminuíram e alguns cancelamentos foram feitos.


Estoques


Espera-se uma recomposição dos estoques internos de soja em 2013, caso os números da produção brasileira se confirmem.


A Conab estima um estoque final de 4,73 milhões de toneladas no país no final de 2013. 


É o maior volume dos últimos anos. Veja a figura 2.



Os estoques mundiais também devem aumentar.


O USDA estima um incremento de 7,9% em 2013 na comparação com 2012.Os estoques finais mundiais estão estimados em 59,46 milhões de toneladas (figura 3).



Considerações finais


Diante deste cenário, a expectativa é de mercado frouxo para o primeiro trimestre de 2013.Na BVM&F, os contratos de soja com vencimento em março/13 fecharam cotados em US$30,30 (R$61,50*) em 11 de janeiro.


O contrato de maio/13 fechou em US$29,00 (R$58,87) no mesmo dia. 


Ou seja, o mercado está sinalizando recuos das cotações em curto e médio prazos.


A intensificação da colheita e, consequentemente, o aumento da disponibilidade interna, além da necessidade de liberar espaços nos armazéns para a safra nova são fatores de baixa para as próximas semanas.


Por fim, cabe dizer que, diante de um cenário de atraso na colheita no hemisfério Sul e/ou quebra de produção, existe espaço para alguma sustentação dos preços.


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Tags:

  Soja, grãos, safra, colheita
Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111