• Quarta-feira, 19 de janeiro de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Carta Grãos - A produção de milho no Leste Europeu


Terça-feira, 11 de dezembro de 2012 - 16h29

Boa parte do território europeu está situada em altas latitudes, com presença de verões quentes e curtos, com boa precipitação e invernos extremamente frios, longos e secos (temperado continental).


É possível encontrar ainda o clima polar, com invernos rigorosos e verões curtos, que caracterizam parte da Rússia europeia. As amplitudes térmicas anuais são bastante acentuadas.


Em razão disso, o período que os países do Leste Europeu têm para destinar a agricultura é pequeno, permitindo apenas uma safra. Justamente por terem verãos curtos, as variedades utilizadas de milho e de soja são de maturidade precoce, sendo a grande maioria de 80 a 110 dias.


Verifica-se grande discrepância em relação à cultura do milho nas duas Europas, Ocidental e Oriental.


Na parte Ocidental (Alemanha, França, Itália, etc.), a maioria são pequenos e médios produtores, com 5,0% deles com mais de 50 hectares. Nesta região, a área de milho está há muito tempo estável ou em retração. Apesar de enormes subsídios governamentais para agricultura, não há mais área disponível para expansão da cultura.


Na parte Oriental ou também chamada de Leste Europeu (Romênia, Ucrânia, Rússia, etc.), observa-se a presença de grandes produtores, com áreas disponíveis para expansão da cultura (um dos poucos lugares do mundo). Por outro lado, há falta de infraestrutura, de crédito e o ambiente de negócios é extremamente inseguro.


Na Europa é restrito e limitado o uso de variedades transgênicas de milho, estando presente em poucos países e com volumes limitados.


Os maiores produtores


Grande parte da Europa, assim como os Estados Unidos, tiveram suas lavouras afetadas pelo clima quente e seco do verão de 2012.


O Leste Europeu, apesar de não ter tido grandes alterações na produção, sentiu o reflexo climático. 


Por outro lado, muitos produtores europeus aproveitam as altas temperaturas no período da colheita em setembro e outubro para terem os grãos em teor de umidade mais baixo, reduzindo assim os custos de secagem.



Ucrânia


As principais culturas de inverno da Ucrânia, trigo, cevada e centeio, foram prejudicadas pelas condições climáticas desfavoráveis durante o plantio na temporada 2012/2013. 


Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), mais de 1,6 milhão de hectares foram perdidos e replantados com safras de primavera, como o milho, a cevada, o sorgo, entre outras culturas.Isso justifica o aumento de 27,0% na área colhida de milho, que saltou de 3,5 milhões de hectares em 2011/2012 para 4,5 milhões de hectares em 2012/2013.


Boa parte do milho ucraniano é exportada. Para a temporada 2012/2013 a previsão é de que aproximadamente 60,0% da produção tenha como destino o mercado internacional.


Os principais clientes são os países europeus, mas os ucranianos estão apostando em novos mercados, como a


China e o Norte da África.


Rússia


De acordo com o USDA, a Rússia é o segundo maior produtor de milho do Leste Europeu. Em quatro anos a produção russa aumentou 76,6%, com expansão de 69,6% na área plantada.


Em 2009/2010 o país produziu 3,9 milhões de toneladas de milho saltando para 7,0 milhões de toneladas em 2012/2013. 


A área total com a cultura, que era de 1,1 milhão de hectares em 2009/2010, passou para 1,9 milhão de hectare na temporada atual.


O consumo interno de milho é crescente no país, o que tem levado a diminuição das exportações.


Em 2012/2013, das 7,0 milhões de toneladas do grão previstas, 5,5 milhões de toneladas ou 78,5% da produção total deverão ser consumidas no mercado interno.


As exportações russas de grãos devem chegar a 13,7 milhões de toneladas em 2012/2013, sendo 10,0 milhões de toneladas de trigo, 1,5 milhão de toneladas de cevada, 1,5 milhão de toneladas de milho e 700 mil toneladas de outros grãos e leguminosas.


Do lado das importações, a previsão é de que sejam comprados 1,8 milhão de toneladas de grãos em 2012/2013, incluindo 1,0 milhão de toneladas de trigo, 400 mil toneladas de cevada (malte de qualidade), 100 mil toneladas de milho e 300 mil toneladas de outros grãos e leguminosas.


Sérvia


O milho ocupa 37,0% da área total de grãos da Sérvia.


Segundo o USDA, na temporada 2012/2013 houve ligeira redução da área plantada de milho no país, em relação à 2011/2012. Foram semeados 1,25 milhão de hectares.


A produção, no entanto, caiu 38,1%, reflexo do clima desfavorável. O plantio inicia-se normalmente em abril e segue até maio, com a colheita entre setembro e novembro.


O consumo interno em 2012 está previsto em 3,8 milhões de toneladas. 


A maior parte da produção é destinada para alimentação animal, mas também há uma parte para produção de amido e sementes.


O cultivo de milho para a produção de amido tem aumentado no país, devido ao declínio do número de animais.


Em 2011, a Sérvia exportou 2,1 milhões de toneladas do grão, ficando entre os três maiores exportadores da Europa.


Os principais clientes estão na Europa. O transporte para Montenegro, Croácia, Bósnia e Herzegovina e Albânia é feito por caminhões, enquanto as exportações para o Chipre, Itália, Espanha e Portugal atravessam pelo Rio Danúbio até o Mar Negro. 


A partir de 2011 o milho tornou-se o principal produto agrícola exportado pela Sérvia.


Considerações finais


A produção de milho no Leste Europeu é importante para o abastecimento local e também para o mercado internacional.


A Ucrânia, por exemplo, tem uma produção acima de 20 milhões de toneladas e exporta mais da metade de sua produção.


Boa parte do milho proveniente do Leste europeu tem como destino o bloco de países europeus, mas é crescente o interesse por parte da China e outros países asiáticos.


Além do milho, a produção de trigo é representativa na região.

Colaborou Paola Grígolli, engenheira agrônoma em treinamento.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook