• Quinta-feira, 18 de julho de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Manejo da fertilidade do solo da pastagem - parte I


Quarta-feira, 10 de julho de 2019 - 05h55

por Adilson de Paula Almeida Aguiar

Zootecnista, professor de Forragicultura e Nutrição Animal no curso de Agronomia e de Forragicultura e de Pastagens e Plantas Forrageiras no curso de Zootecnia das Faculdades Associadas de Uberaba (FAZU); Consultor Associado da CONSUPEC - Consultoria e Planejamento Pecuário Ltda; investidor nas atividades de pecuária de corte e de leite.


Foto: Scot Consultoria


Cada vez se torna evidente a necessidade de se adotar tecnologias de alto insumo como base da intensificação dos sistemas de produção em pasto, incorporando as tecnologias de correção, adubação e irrigação do solo, as quais demandam altos investimentos e custos.


Para o manejo da fertilidade do solo é preciso adotar as boas práticas de manejo no uso de corretivos e fertilizantes (BPM). BPMs se constituem na aplicação em campo dos quatro Cs (4 Cs): aplicação da fonte de nutrientes Certa, na dose Certa, no lugar Certo e na época Certa.


Um programa de manejo da fertilidade de solos da pastagem, deve contemplar as seguintes etapas:  


1. Escolha da área que será corrigida e adubada;


2. Medição e mapeamento da área;


3. Amostragem de solo e de planta e envio das amostras ao laboratório;


4. Análise laboratorial;


5. Interpretação dos resultados de análises de solo e de planta e recomendações de correção e adubação;


6. Planejamento e execução do programa;


7. Práticas corretivas: calagem, gessagem, fosfatagem, potassagem, correção de micronutrientes, correção da matéria orgânica;


8. Práticas de adubação: com cálcio, magnésio, fósforo, potássio, enxofre, micronutrientes, nitrogênio;


9. Tipos de adubação: química, orgânica, organomineral;


10.  Métodos de aplicação: manual, tração animal, tratorizado, aéreo, foliar, fertirrigação;


11. Avaliação dos resultados: resposta técnica e econômica;


12. Avaliação de impacto ambiental.


Para iniciar-se um trabalho de manejo da fertilidade do solo, precisa-se primeiro conhecer os métodos pelos quais se pode avaliar a fertilidade de um solo. Esses métodos são a análise química e física do solo, a diagnose visual de deficiências minerais nas plantas e a análise química da planta.


Os programas de análises de solo e de plantas são utilizados com o objetivo de fornecer um guia para o manejo adequado da fertilidade do solo e da nutrição mineral das plantas. Esses programas fundamentam-se em pesquisas relacionando as propriedades químicas dos solos e/ou o estado nutricional das plantas com a produtividade vegetal. Assim, bons programas nessa área dependem da existência de amplos resultados de pesquisa.


Em levantamentos sobre o consumo de fertilizantes e uso de ferramentas de análise de solo e folhas por produtores agrícolas permitiu concluiu-se que há ausência de tecnologia e de acompanhamento técnico no que se refere ao manejo da fertilidade do solo e da nutrição mineral de plantas:


I. Mais de 50% dos produtores baseiam-se na própria experiência para a prática da adubação e não possuem um programa adequado de acompanhamento da fertilidade do solo;


II. A correção do solo pela aplicação do calcário é feita pela maioria dos produtores, mas sem critérios de dosagem e de frequência;


III. Pequena parte dos produtores conhece os efeitos da aplicação de gesso agrícola como condicionador do ambiente radicular de subsuperfície;


IV. Cerca de 80% dos entrevistados possuem o hábito de solicitar análise de solo, mas 72% não estão aptos para interpretar os resultados;


V.  A análise de tecido vegetal é uma ferramenta pouco utilizada pelos produtores para avaliar a necessidade de ajustes no programa de adubação;


VI. Mais de 90% dos entrevistados entendem que o uso inadequado de fertilizantes deve causar algum impacto ambiental;


VII. 90% dos participantes admitiram necessitar de orientação para melhorar suas atividades agrícolas.    


A maior parte do rebanho bovino brasileiro encontra-se em pastagens implantadas em solos ácidos, pobres em fósforo, cálcio, magnésio, zinco, enxofre, nitrogênio, potássio, cobre, boro, matéria orgânica e com níveis tóxicos de alumínio e manganês. Nestas condições a produção de forragem estimada seria suficiente apenas para suportar taxas de lotação animal entre 0,41 a 0,48 UA/ha/ano.


Aquela baixa lotação animal caracteriza um grande desperdício de recursos climáticos tão favoráveis desta região, tais como: índices pluviométricos entre 1.200 e 2.000 mm/ano, temperaturas médias acima de 22ºC e alta intensidade luminosa; solos planos e profundos; potencial de produção das plantas forrageiras tropicais; e determina que, naquelas condições, a produção animal em pasto seja uma das piores alternativas de uso da terra quando comparada com outras atividades.


Quando aqueles recursos ambientais são explorados com eficiência, podem-se estabelecer altas produtividades em sistemas de pastagens, com lotação animal entre 2,0 a 20,0 UA/ha, durante a primavera-verão; produtividade da ordem de 300 a 3.600 kg/ha/ano de peso vivo (150 a 1.800 kg de carcaça/ha/ano); e produção de leite entre 5.000 a 60.000 kg de leite/ha/ano. Com esses níveis de produtividade animal, os sistemas de produção de leite e carne em pasto passam a ser muito competitivos com alternativas de uso da terra. As causas que levam àquelas baixas produtividades são muitas. Umas das mais citadas nos trabalhos sobre produção animal em pasto é a influência da baixa fertilidade dos solos de pastagens.


Por outro lado, nos últimos 15 anos, tem aumentado, consideravelmente, o número de produtores que tem intensificado a produção em pastagem fazendo uso de fertilizantes. Nesse contexto, as preocupações já devem ser outras, tais como: manejo incorreto do pastejo e baixo desempenho animal reduzindo os efeitos benéficos da adubação, escolha inadequada das fontes de fertilizantes, erros no manejo de aplicação dos corretivos e fertilizantes e riscos de contaminação do meio ambiente.


Considerando a crescente demanda da população por alimentos, fibras e combustível, o intenso estresse financeiro global e as crescentes preocupações sobre os impactos na qualidade da água e do ar, a melhoria simultânea da produtividade e da eficiência na utilização dos recursos, incluindo a eficiência de utilização de nutrientes é imprescindível que a agricultura e a pecuária adotem as boas práticas de manejo no uso de corretivos e fertilizantes (BPM). BPM podem ser definidas como ações aplicadas aos recursos, que tenham sido validadas pela pesquisa, para proporcionar a melhor combinação entre desempenho econômico, social e ambiental.


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111