• Quinta-feira, 20 de janeiro de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Abate de bovinos em 2015: Recomposição do rebanho


Sexta-feira, 1 de abril de 2016 - 14h00

Zootecnista, formado pela Universidade Estadual de Maringá - UEM, Câmpus de Maringá-PR. É analista de mercado da Scot Consultoria. Editor-chefe do Relatório de Terras, publicação da Scot Consultoria. Pesquisador de mercado nas áreas de boi, leite e grãos. Ministra aulas, palestras, cursos e treinamentos nas áreas de mercado do boi, grãos e assuntos relacionados à agropecuária em geral.


Em março, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados consolidados de abates de bovinos no Brasil em 2015.


E o resultado. Queda em relação ao ano anterior. Em 2015 foram 30,64 milhões de bovinos abatidos sob algum tipo de inspeção, retração de 9,6% em relação a 2014.


A maior retenção de fêmeas colaborou e fez o peso médio das carcaças aumentar 2,8% em 2015, chegando a 244,5 kg/animal.


Observando a consolidação dos abates de bovino no Brasil, ficou claro que, em 2015, a recomposição do rebanho começou a dar sinais de melhora, a participação de fêmeas no abate teve queda de 2,9 pontos percentuais, em relação ao ano anterior.


Figura 1.


Participação anual de machos e fêmeas no abate total de bovinos de 1997 a 2015


Os números recém-divulgados pelo IBGE confirmam as análises da Scot Consultoria, e o termômetro utilizado pela empresa foi a vontade do recriador e do invernista em comprar bezerro, e, além disso, a falta de oferta, confirmada pela retenção de fêmeas para produzir bezerros e animais de reposição, colaborou para a valorização.


Essa retenção de fêmeas deve continuar ao longo de 2016. Isso, baseado no último ciclo pecuário, onde a participação de fêmeas no abate chegou a 36,0%, percentual um pouco distante do atual (38,9%) e no preço atrativo de venda da reposição.


Seguindo a média do último ciclo pecuário, ainda devemos ter de um a dois anos a mais de retenção.


Porém a retenção de fêmeas ainda não resultou em maior oferta de animais para o abate, sendo assim, para 2016, o preço da arroba dos animais terminados deve permanecer mais firme do que os animais de reposição.


A oferta de boiada deve aumentar em 2017, que será o bezerro concebido em 2015. Portanto, teremos ainda dois anos de diferença para esse bezerro chegar ao mercado.


Contudo, essa é uma análise do ponto de vista de preço relativo, o preço do bezerro permanece valorizado frente ao boi gordo, portanto pode ocorrer um ajuste nos preços ao longo desse ano.


Em São Paulo, o primeiro trimestre desse ano mostrou queda de preço ofertado pelo bezerro, já para o boi gordo houve valorização da arroba, evidenciando esse ajuste.


Analisando a participação de fêmeas no abate por estado, podemos ver que em Rondônia a situação não é a mesma do restante do país. Rondônia apresentou um aumento de quase 12,0% na participação de fêmeas no abate, em 2015.


Isso porque a demanda está abaixo da oferta, gerando desvalorização da arroba do animal terminado. Das trinta e uma praças pesquisadas pela Scot Consultoria, Rondônia possui o boi gordo com a arroba menos valorizada.


Olhando os anos anteriores, Rondônia vinha sendo o estado com a maior queda de participação de fêmeas nos abates, ou seja, a recomposição do rebanho bovino começou antes dos demais estados.


Com isso a oferta de animais aumentou e permitiu as indústrias aplicarem uma estratégia de redução de preços. Com a desvalorização os produtores estão aumentando o descarte de fêmeas, justamente em consequência de um mercado menos favorável.


Já em Tocantins, onde o sistema de cria prevalece, ocorre o inverso. O estado teve a maior retenção de fêmeas dentre os analisados pelo IBGE. A participação de vacas e novilhas no abate total foi de 26,0%. Os produtores estão retendo uma porcentagem maior de fêmeas, tendo em vista a valorização dos animais de reposição.


A participação de fêmeas nos abates caiu mais no Tocantins, em Goiás, São Paulo, no Pará e no Maranhão. Em consequência disso, pode-se esperar, para os próximos anos, que a produção de bezerros aconteça de forma mais acentuada nesses estados.


Além de Rondônia, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul lideram como estados com menor retenção de matrizes.


Vale ressaltar que estes números são indicadores e provém uma tendência de mercado. Sendo este um bom ponto de partida para entender onde a oferta irá melhorar comparativamente com os anos anteriores.


A perspectiva é de que ocorra um ajuste nos preços ofertado pelo bezerro, contudo, esta ainda deve ser uma categoria valorizada comparada ao boi em 2016.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook