• Quinta-feira, 11 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

O balanço do PAC


Quinta-feira, 25 de junho de 2015 - 16h15

Problemas sociais - soluções liberais
Liberdade política e econômica. Democracia. Estado de direito. Estado mínimo. Máxima descentralização do poder.


Quando lançado nos idos tempos do governo Lula, o PAC - Programa de Aceleração do Crescimento - denotava, como é titulado, um aumento da velocidade de expansão do PIB do país. Literalmente, equivale a dizer que, se crescíamos a taxas de 3% ao ano, o Plano incluía medidas de atividade destinadas a aumentar essa taxa.


Digamos que o PAC visava elevar de 3 para 4 por cento o crescimento do PIB. A aceleração corresponderia a 1% (4% menos 3%), ou seja, 33% em relação à base de referência.


Agora, estamos no ponto morto, ou seja, a taxa de crescimento é, literalmente, Zero por cento. Em ponto morto, como a população ainda cresce (mais nascimentos do que mortes), não crescer é ficar mais pobre. Este é o balanço do PAC.


A estatização conduz à pobreza. A conta de lucros e perdas do Brasil mostra um resultado negativo. É este o balanço do PAC.


No Brasil, só não diminui o tamanho do governo. Este é o balanço do PAC que as autoridades não assumiram.


Para um país que ainda não atingiu a maturidade, o resultado é mais do que pífio.



<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook