• Segunda-feira, 22 de abril de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Exportações brasileiras – O que fatura mais


Quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 - 09h21

por Douglas Coelho

zootecnista formado pela UNESP – Jaboticabal-SP e sócio da Radar Investimentos.


O comércio exterior brasileiro registrou recordes em 2011.

A receita com as exportações de janeiro a novembro do ano passado foi de US$233,9 bilhões, alta de 29,4% em relação ao mesmo período de 2010, quando atingiu US$180,9 bilhões. Observe a figura 1.



Este crescimento mostra a solidez brasileira no comércio internacional.

O que fatura mais?

De janeiro a novembro de 2011, o produto que mais gerou receita foi o minério de ferro e seus concentrados.

Os embarques do produto no período, US$38,1 bilhões, representaram 16,3% de todo o faturamento do país.

A receita gerada foi 50,3% superior, frente ao mesmo período do ano anterior.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), em 2011 a Produção Mineral Brasileira (PMB) está estimada em US$50,0 bilhões.

Caso isto se confirme, a alta será de 28% frente ao valor em 2010.

Nos últimos dez anos o PMB brasileiro acumula crescimento de 550%, saindo de US$7,7 bilhões para US$50,0 bilhões.

A segunda maior participação nas exportações é a dos óleos brutos de petróleo.

Estes que ainda passarão por vários processos físico-químicos até se tornarem gasolina, diesel, lubrificantes, nafta (petroquímica) e querosene de aviação.

O faturamento com os embarques do produto entre janeiro e novembro de 2011, de US$19,0 bilhões, foi 43,0% superior, ante os US$13,3 bilhões dos onze primeiros meses de 2010.

Em 2011, a receita com óleos brutos de petróleo compôs 8,1% do faturamento das exportações até novembro.

Não é a toa que as duas grandes empresas de cada um destes setores detêm as maiores receitas. Figura 2.



Na sequência estão os embarques de soja grão triturada. Os US$15,6 bilhões gerados representaram 6,6% do faturamento no período.

Em relação ao mesmo período de 2010, o valor obtido com as exportações do produto no ano passado foi 43,4% maior.

Nesta última safra, o clima foi crucial para a boa produção, exceto no Mato Grosso do Sul, onde o excesso de chuvas causou perdas.

Atualmente, a demanda aquecida pelo grão dá condições para os preços se manterem firmes.

Com 4,5% da receita das exportações nos primeiros onze meses de 2011, o açúcar bruto fica na quarta posição.

Segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), o Brasil é o maior produtor e exportador de açúcar do mundo.

Além de responsável por aproximadamente 20% da produção mundial e 40% das exportações totais, abastece mais de 100 países.

De janeiro a novembro de 2011 o faturamento foi de US$10,6 bilhões, US$2,1 bilhões a mais, em relação ao mesmo período de 2010.

Em quinto lugar está o tradicional café brasileiro.

O café em grão gerou US$7,2 bilhões nos onze primeiros meses de 2011, salto de 59,4% comparado a 2010.

Porém, segundo superintendente comercial da Cooxupé, maior cooperativa de cafeicultores do país, as exportações devem cair no início de 2012.

"Muitos embarques foram antecipados devido à forte demanda, mas a oferta é apertada. Vamos ter um cenário de escassez sem precedentes", diz.

Potencial de um gigante

Cabe ainda destacar que as exportações dos produtos ligados à construção civil, como minério de ferro, produtos semimanufaturados de aço e maquinários para perfurações e terraplanagem, tiveram os maiores crescimentos em receita na comparação com o ano anterior.

O que evidencia os benefícios para o Brasil com o processo de urbanização e o crescimento das economias emergentes dos últimos anos.

O peso do agro brasileiro no comércio exterior também é importantíssimo.

Dos onze produtos exportados com o maior faturamento em 2011, seis são provenientes da produção agropecuária. Tabela 1.



Com todas as previsões turvas ligadas à economia global, ao menos um fator está bem definido, a oferta enxuta de produtos agrícolas.

Visto isto, principalmente, se o clima e as taxas de câmbio colaborarem, o Brasil pode ganhar ainda mais força no mercado externo.

Uma estrutura sólida após os períodos de turbulências na economia mundial seria apenas o catalisador deste processo. << Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



TV Scot

Podcasts



Loja

Facebook





  • Copyright 2019, Scot Consultoria, Rua Coronel Conrado Caldeira, 578 • Bebedouro - SP - Brasil - 14701-000 | +55 17 3343 5111