• Quarta-feira, 13 de novembro de 2019
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

BB e Aga vetam novo plano, mas Nilza deve ser vendida


Sexta-feira, 19 de novembro de 2010 - 09h31

Credores com garantias reais da Indústria de Alimentos Nilza vetaram, por unanimidade, as alterações no plano de recuperação judicial da companhia, votadas hoje durante assembleia realizada em Ribeirão Preto (SP). Mas a posição não deve impedir a venda do controle da empresa à Airex Trading. A decisão de aprovar a mudança no plano e que pode evitar a falência da Nilza caberá ao juiz da 4ª Vara Cível de Ribeirão Preto, Héber Mendes Batista. Ele deve se apoiar na posição dos credores trabalhistas, que aceitaram a proposta por unanimidade, e dos credores sem garantia real, cuja aprovação atingiu 59,78% do total de créditos, ou 89,09% dos presentes. Apenas o Banco do Brasil e a Aga Pallets votaram entre os credores com garantias reais, ambos contra. O representante do ABN Amro se absteve. Os advogados da Nilza e da Airex estão reunidos nesta tarde com Batista e vão sustentar que não houve mudança para essa classe de credores no novo plano de recuperação judicial, em relação ao homologado há um ano pelo juiz. Pela comemoração após a assembleia, com abraços entre os vendedores e compradores, havia a certeza da aprovação. Pela proposta, a Airex assumirá os 65% da participação acionária do empresário Adhemar de Barros Neto na Nilza. A empresa pagará a dívida trabalhista já vencida de R$ 5,185 milhões, incluída no plano de recuperação judicial da companhia e injetará R$ 9 milhões para a Nilza voltar a produzir leite longa vida em até dois meses dias, nas unidades de Ribeirão Preto e Itamonte (MG). O restante da dívida incluída na recuperação judicial - cerca de R$ 214 milhões - será pago em dez anos, em parcelas mensais, com carência de 15 meses, exceto os fornecedores de leite, que receberão em seis meses após dois meses do negócio concretizado. A dívida total, incluindo os R$ 200 milhões em passivos fiscais, chega a R$ 429 milhões. Caso o negócio seja concretizado, o que deve ocorrer até a próxima semana, a futura dona da Indústria de Alimentos Nilza será uma desconhecida no mercado. A Airex tem sede em Manaus e é de propriedade do advogado Sérgio Alambert, famoso por ter entre seus clientes Juan Carlos Abadia, apontado como um dos chefes do narcotráfico colombiano, preso no Brasil em 2007 e extraditado em 2008. Após a assembleia, certo de que irá assumir a empresa, Alambert fazia planos para a companhia. "Finalizamos o processo até terça-feira, voltamos a operar em 60 dias, assim que uma limpeza na estrutura das plantas industriais for feita para ter logo a marca Nilza de volta aos supermercados", disse o advogado. "Vamos manter os funcionários que ficaram e recontratar parte dos que foram demitidos", completou Alambert. Nos planos do agora empresário do ramo de lácteos está a produção de derivados de leite com um maior valor agregado do que o longa vida. "Espero que seja o primeiro negócio do segmento", explicou. Fonte: O Estado de São Paulo. 18 de novembro de 2010.



Vamos falar do boi de R$200,00/@? Participe do Encontro de Analistas da Scot Consultoria e aprenda com grandes nomes da economia e mercado do boi. Acesse https://www.encontrodeanalistas.com.br/ ou ligue para 17 3343 5111 e faça sua inscrição até o dia 15 de novembro, antes da virada de lote!


<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar
Scot - Facebook Leite
 
Scot - Facebook Scot - Twitter Scot - Youtube Scot - Instagram Scot - Rss Scot - Linkedin

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos



Loja

Facebook