• Quinta-feira, 11 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Produção brasileira de ração cresce 4,1% até junho e chega a 31,4 milhões de toneladas


Sexta-feira, 26 de agosto de 2011 - 09h38

A produção da indústria brasileira de alimentação animal cresceu 4,1% no primeiro semestre. Chegou a 31,4 milhões de toneladas, na comparação com as 30,16 milhões de toneladas do mesmo período do ano passado. O balanço foi divulgado nesta quinta, dia 25, pelo Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações). O incremento está em linha com a previsão para o ano, que é de crescimento de 4,2%, e, quando acrescentado o segmento de sal mineral, de 4,4%. De acordo com Ariovaldo Zani, vice-presidente executivo da entidade, apesar dos percalços vividos pelo setor de carnes neste ano, com forte queda nos preços domésticos dos suínos e embargo da Rússia, a indústria de alimentação animal mantém a expectativa de crescimento. "Mas com viés de baixa", ponderou. Ele alerta que a crise internacional pode reduzir as exportações de carnes do Brasil, o que teria impacto na indústria de ração. Em 2010, a produção ficou em 61,4 milhões de toneladas, elevação de 5,3% ante o ano anterior. No caso dos suínos, a indústria de ração previa aumento de 2% na produção para este segmento em 2011. No primeiro semestre, contudo, a oferta ficou praticamente estável, com alta de 0,1%. – A desvalorização da carne suína foi dramática para os produtores – afirmou Zani. A entidade avaliou que, apesar do crescimento de 11% na receita das exportações, a quantidade de carne suína exportada no primeiro semestre recuou principalmente por causa do embargo russo. A estabilidade no plantel de matrizes alojadas e de leitões resultou no consumo de 7,6 milhões de toneladas de ração de janeiro a junho de 2011. Na avicultura, que responde por 50% do consumo de ração no país, a demanda do segmento de corte se manteve forte no período e, por isso, a produção cresceu 6%, para 15 milhões de toneladas. Mas no segmento de ração para poedeiras o volume subiu apenas 0,5%, para 2,5 milhões de toneladas no primeiro semestre. – O incremento de 60% no preço do milho para ração prejudicou a rentabilidade do produtor, já que o preço médio do ovo registrou variação de apenas 17% no mesmo período de junho de 2010 a junho de 2011 – diz a entidade. No segmento de bovinos de corte, o aumento foi de 6,5%, para 1,3 milhão de toneladas de rações, graças à manutenção da arroba em patamar superior aos R$100 por arroba. No caso do gado leiteiro, o incremento foi ainda mais expressivo - 8,6% - para 2,6 milhões de toneladas. Fonte: Agência Estado. Por Ana Conceição. 25 de agosto de 2011.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook