• Sábado, 25 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

No varejo preços sobem mais ou recuam menos


Segunda-feira, 1 de setembro de 2008 - 10h36

Pelo segundo mês consecutivo, os preços do leite pagos aos produtores recuaram. Em agosto, pela produção de julho, a retração foi de 5,4%, mas no acumulado desses dois meses soma 7,72%. Para as indústrias, a baixa vem ocorrendo há três ou quatro meses, dependendo do produto. Por exemplo, no caso do leite longa vida, o preço médio caiu 9,25% entre maio e agosto. E o quilo do leite em pó recuou 10,8% nos últimos quatro meses, passando de R$11,62 para R$10,37. Há tempos o mercado vem dando sinal de enfraquecimento no consumo. Os atacadistas registraram queda nas vendas, num período em que a oferta é grande. E aí os preços não se sustentam. No entanto, para o consumidor, até julho os preços não haviam caído. Nos primeiros sete meses do ano, as cotações dos lácteos nos supermercados reagiram 8,5%, em média, sendo que o preço do queijo mussarela aumentou cerca de 45% no mesmo período. O litro de leite longa vida integral reagiu 19,9% e o do leite pasteurizado apresentou alta de 13%, em média. Acompanhe na figura 1, o comportamento dos preços do leite longa vida no atacado e no varejo. Óbvio que, quando o supermercado segura ou aumenta o preço de um produto, e no atacado há recuo, tem-se o aumento da margem do varejo. No caso do leite longa vida, a média da margem de comercialização, nos últimos seis anos, é de 14%. Mas, há 2 meses a diferença ultrapassou os 18%. Hoje, o sobre-preço do varejo é o maior, em termos proporcionais, dos últimos dois anos. E vale destacar que, pela primeira vez em 2008, houve queda nos preços do UHT nas prateleiras dos supermercados, de 7,5% em média. Caso contrário, a diferença seria superior a 20%. Assim, analisando a evolução dos preços do leite este ano (janeiro a agosto), tem-se que o que está exposto na tabela 1. Os números mostram que, em relação ao varejo, as indústrias e os produtores se beneficiam menos dos movimentos de alta e sofrem a maior parte do impacto originado de um mercado em retração. Interessante que, quando os preços estão em alta, o consumidor pensa logo em "culpar" o produtor. Exemplo claro de falta de conhecimento sobre a dinâmica dos preços ao longo da cadeia produtiva.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook