• Domingo, 3 de julho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Mercado internacional de lácteos em 2010


Sexta-feira, 29 de janeiro de 2010 - 09h52

Passado o pior da crise, os preços dos lácteos no mercado internacional voltaram a se recuperar. No entanto, a intensidade da recuperação foi além da esperada, considerando os amplos estoques de lácteos existentes nos Estados Unidos e na União Européia. Veja na figura 1 a variação dos preços de queijo, manteiga e leite em pó desnatado na Oceania, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Os preços também se recuperaram na União Européia, grande participante do mercado internacional. Um exemplo foi a manteiga, atualmente comercializada ao redor de US$4 mil por tonelada enquanto seis meses antes os negócios aconteciam em US$2,5 mil/tonelada. CENÁRIO PARA 2010 Segundo o USDA, esse aumento de preços no mercado internacional pode indicar que a demanda por lácteos no mercado externo não caiu tanto com a crise. Para 2010, existe também a perspectiva de limitação de produção em dois grandes participantes do mercado internacional: Estados Unidos e União Européia (tabela 1). No entanto, para o primeiro semestre do ano existem ressalvas em relação à firmeza dos preços internacionais. Ressalvas relacionadas ao consumo. Até que ponto os consumidores vão absorver esse aumento de valores e se, no longo prazo, a alta dos preços não vai sufocar a demanda, levando a uma correção negativa das cotações. PRODUÇÃO EM 2010 Segundo o USDA, a produção de leite na União Européia deve ficar próxima dos níveis de 2009. Isso porque os produtores europeus estão se recuperando do período de baixa do ano passado. Nos Estados Unidos a expectativa de queda de 1% na produção de leite se deve à liquidação das vacas leiteiras, com tendência de diminuição do rebanho na ordem de 2,4% em função dos preços não atrativos nos anos anteriores. Para a Austrália a expectativa também é de queda da produção em 2010. O menor número de vacas, depois de uma severa seca e custos altos na comparação com os preços do leite, deve impactar na produção de leite no país. A previsão do USDA para o Brasil é de uma produção da ordem de 30 bilhões de litros, 5% acima do verificado em 2009. Diante da menor oferta por parte dos demais participantes – players - o Brasil pode levar vantagem na comercialização de lácteos no mercado externo este ano.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook