• Quarta-feira, 10 de agosto de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Mercado demonstra maior reação dos últimos meses


Quarta-feira, 1 de julho de 2009 - 11h04

Em junho, o preço do leite pago ao produtor subiu na maioria das bacias leiteiras. A menor oferta de leite acirra a concorrência entre os laticínios. Confira a seguir um resumo do mercado do leite nas principais regiões produtoras. SUDESTE Em Minas Gerais, o preço do leite ao produtor subiu 7,6% em junho, referente à produção de maio. A captação está em queda. Mais de 65% das empresas consultadas disseram que o volume de leite entregue caiu. A alta no preço do leite nos últimos meses deve estimular os investimentos na produção. Para o próximo pagamento, 95% dos laticínios acreditam em alta de preço para o leite. O preço do leite no mercado “Spot” (leite comercializado entre as indústrias) subiu 11,7% em Minas Gerais. Os poucos negócios ocorreram em média em R$0,86/litro. Em São Paulo, o leite também subiu. No pagamento de junho, o produtor recebeu, em média, 8,2% a mais pelo leite. Foi o segundo maior preço pago no País, atrás somente do leite produzido no Espírito Santo que registrou alta de mais de 18%. Veja a figura 1. O mercado “spot” paulista esteve devagar. Em geral, os negócios ocorrem mediante contrato prévio com preços variando entre R$0,90/litro e R$1,00/litro. A concentração de partos nesta época do ano (em função de preços melhores) já foi suficiente para mexer no volume de leite disponível. Dessa forma, a captação ficou estável em 55% dos laticínios pesquisados. SUL No Sul do país, o preço do leite ao produtor subiu mais de 10% nos três Estados. No Paraná, a alta chegou a R$0,09/litro e o produtor recebeu, em média, R$0,742/litro. Apesar da estiagem entre abril e maio, as pastagens de inverno aos poucos vão vingando com as recentes chuvas e a produção tende a se estabilizar nos próximos meses. Em Santa Catarina, aos poucos o preço do leite caminha para os valores pagos em 2008. A diferença em relação a junho do ano passado é de menos de 2%. CENTRO-OESTE O mercado do leite está concorrido na região Centro-Oeste do país. Dessa forma, a alta no pagamento de junho, referente à produção de maio, foi bem mais significativa que nos meses anteriores. Aos poucos, os ganhos com as vendas dos produtos lácteos no varejo e no atacado são efetivamente repassados aos produtores. Em Goiás, principal bacia leiteira da região, o preço do leite ao produtor ultrapassou a casa dos R$0,70/litro. Observe a figura 2. Em 2008, o preço em Goiás era menor que o vigente em Minas Gerais. Em junho deste ano, o produtor goiano recebeu 3% mais que a média verificada em Minas Gerais. O leite “spot” subiu 8,7% em Goiás na comparação com maio. Em média os negócios ocorreram em R$0,83/litro. No Mato Grosso do Sul e no Mato Grosso as cotações do leite também subiram. A alta foi de 9,9% em relação ao pagamento anterior. NORDESTE E NORTE No Nordeste, as chuvas típicas do período frio possibilitaram boas condições para as pastagens nesses últimos meses. A captação ficou estável em 60% dos laticínios consultados. Entretanto, a recuperação das vendas de lácteos no mercado traduziu-se em alta no pagamento ao produtor. O Ceará registrou os maiores aumentos da região e o produtor recebeu, em junho, cerca de R$0,03/litro a mais pelo leite entregue em maio. Na Bahia, o aumento foi mais tímido e não chegou a 1% na comparação com o pagamento anterior. O atual valor está quase 12% menor que em junho do ano passado (figura 3). O Maranhão segue com o menor preço vigente no País, R$0,484/litro. No Norte, em Rondônia e Pará os preços subiram 10% e 5,5%, respectivamente. A expectativa é de alta para o próximo pagamento em quase 60% das empresas pesquisadas.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>
Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook