• Quarta-feira, 29 de junho de 2022
  • Receba nossos relatórios diários e gratuitos
Scot Consultoria

Hormônios e materiais para a inseminação


Quinta-feira, 25 de novembro de 2010 - 15h49

A maior parte das vendas de hormônios e materiais para inseminação já foi feita. Acompanhando os demais setores do mercado reprodutivo, como tourinhos e sêmen, as vendas foram boas. A IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo) ganha adeptos a cada ano. A tecnologia tem se popularizado. Um dos fatores que deixa o pecuarista com “um pé atrás” em relação à IATF são as taxas relativamente baixas de prenhez. O que se deve levar em conta ao analisar a taxa de prenhez é que essas fêmeas que emprenham, o fazem nos primeiros dez dias da estação. Com isso, o tempo para que se faça outra inseminação ou o repasse com tourinhos é maior. A tecnologia tem um custo maior, que precisa ser considerado, mas a julgar pelo avanço do seu uso, o pecuarista tem acreditado que é uma boa opção. Além da própria tecnificação da produção, necessária, tem-se este ano as valorizações do boi gordo e reposição até as vésperas da estação de monta, que animaram os criadores a investir na atividade. Fica a expectativa de quando as fêmeas retidas nos últimos anos produzirão bezerros a ponto de afrouxar o mercado e quão fortemente isto impactará no avanço do uso de tecnologia na cria.
<< Notícia Anterior Próxima Notícia >>

Buscar

Newsletter diária

Receba nossos relatórios diários e gratuitos


Loja

Facebook